Conheça 7 curiosidades do whisky super premium The Macallan, a bebida mais cara e cobiçada do mundo - TOPVIEW

Conheça 7 curiosidades do whisky super premium The Macallan, a bebida mais cara e cobiçada do mundo

O embaixador da The Macallan no Brasil, Gianpaolo Morselli conversou com clientes e parceiros da AG7 e ALLEZ INVEST durante degustação virtual do whisky

Compartilhe

Na noite da última quarta-feira (05/08), um seleto grupo de curitibanos pôde mergulhar no universo dos whiskies e degustar a bebida super premium The Macallan em uma experiência virtual. O encontro foi promovido pela incorporadora AG7 e ALLEZ INVEST que juntas, convidaram clientes e parceiros para uma degustação digital, com o embaixador da The Macallan no Brasil, Gianpaolo Morselli.

A exclusiva marca é dona da bebida mais cara e cobiçada do mundo e recordista de prêmios; conta com um registro no Guinness Books de uma garrafa de 60 anos arrematada por US$ 1,9 milhão de dólares. Durante o Taste Experience, Gianpaolo Morselli contou a história da The Macallan e trouxe 7 curiosidades da bebida para seus apreciadores. Diversas revelações mostraram o porquê da exclusividade e nobreza do whisky. Confira!

Escócia é a região responsável pela nobreza da bebida

O whisky é um destilado inventado na Escócia, região do extremo norte do Reino Unido que conta com especificidades que contribuem com a qualidade e exclusividade da bebida. São elas: o clima, considerado perfeito para o processo de envelhecimento do álcool na madeira; a qualidade e abundância da água, o solo da região faz com que a água seja filtrada naturalmente, deixando ferro e outros materiais de lado e a produção de cevada, considerada a melhor do mundo na Escócia.

São cinco tipos de whisky e o mais puro, produzido por The Macallan

Ao todo, existem cinco tipos de whisky produzidos na Escócia: Single Malt – whisky elaborado em uma única destilaria exclusivamente com cevada maltada e que reflete características peculiares de sua região e de sua destilaria, mostrando sua singularidade; Single Grain – whisky bastante suave produzido em uma única destilaria a partir de diversos grãos não-maltados como milho, trigo, centeio e aveia; Blended – a mistura de diversos whiskies de malte com diversos whiskies de grão, podendo conter de 10 a mais de 60 tipos de whiskies diferentes; Vated – conhecido também como Pura Malt, é um blend de dois ou mais single malts de diferentes destilarias; e Blended Grain – é o blend de whiskies de grãos não-maltados de várias destilarias.

The Macallan produz apenas Single Malt. Sua vantagem está no álcool produzido da cevada que é por si só um álcool com muito mais aroma e sabor. A cevada é um grão muito mais complicado de se produzir e por isso tem seu preço alto e uma categoria considerada mais nobre.

Destilaria The Macallan (Foto: divulgação)

Quanto melhor a madeira do barril, melhor o whisky

O whisky é produzido a partir do seguinte processo: destila-se o álcool da cevada, fermenta-se a cevada, mistura água quente, acrescenta levedura, destila-se o álcool produzido e esse álcool é colocado em um barril de madeira de carvalho, que vai envelhecer deitado em armazéns. Na Escócia, o whisky vai evaporar pelo poro da madeira em uma taxa de 2% ao ano. Quanto melhor a madeira do barril, melhor o whisky. O ditado de que um whisky mais velho é melhor, é errado, pois sua qualidade não está na idade, mas sim na qualidade da madeira.

O mercado de destilaria utiliza-se de madeiras de árvores de 40 anos, o que para The Macallan é uma árvore verde que não conta com a quantidade de resina e óleos essenciais, já que são esses os componentes que se dissolvem no álcool e dão sabor ao whisky. A renomada marca utiliza-se de árvores mais velhas, a partir de 100 anos e acredita que, quanto mais velha a árvore, melhor para o sabor da bebida.

Quanto melhor a espécie e o acabamento da madeira do barril, melhor o whisky

Na Escócia, o barril é feito de carvalho. Dependendo da espécie do carvalho, o whisky vai ter um sabor diferente. O carvalho americano, por exemplo, vai dar coloração amarelada e notas de baunilha, mais adocicado para a bebida; já o carvalho espanhol, é mais avermelhado e tem um perfil mais frutado.

Além da própria qualidade da madeira, o acabamento do barril também influencia. Quando se faz um vinho, por exemplo, se usa um barril virgem pelo fato da madeira liberar, em até dois anos ou menos, os chamados taninos, ao invés dos óleos essenciais. Para o whisky, os taninos não combinam e por isso é preciso esperar o tempo em que a madeira vai liberar óleos essenciais. The Macallan, por exemplo, faz o uso de barris de pelo menos 100 anos de idade.

A região é o terroir do whisky

O local onde o barril envelhece também é outro influenciador da bebida premium. Ela vai determinar o sabor e o caráter do whisky. Na Escócia, existem quatro regiões produtoras e cada uma destina características específicas para o whisky. São elas: Islay, com bastante influência marítima, conta com grande uso de turfa na secagem da cevada maltada, por isso seus whiskies têm características defumadas, salgadas e até mesmo medicinais. Lowlands – com poucas destilarias, tem um clima mais ameno e deixa os whiskies mais leves, delicados e bastante secos. Speyside – a maior concentração de destilarias da Escócia, conta com excelente fonte de água, o Rio Spey, dando aos whiskies grande complexidade, sabores florais e frutados. Highlands – região com densas florestas e geologia diversificada, garante grande variedade de sabores devido aos diversos microclimas e os whiskies variam desde o mais encorpado, no norte da região, passando por mais leves e frutados no sul.

Quanto mais alcoólico, mais fácil de tomar

O álcool é um fixador da bebida, ele não vai volatilizar e vai permanecer íntegro, ou seja, se a bebida estiver com pouco álcool, depois de alguns anos, os componentes serão volatilizados. É o álcool que fixa tudo o que a bebida tem a oferecer; ele é um fixador de aromas e sabores. Por isso, um whisky com 40% de álcool torna-se mais difícil de tomar, do que um de 55 ou 60%.

Quanto menor o alambique, mais sabor

The Macallan conta com alambiques curiosamente pequenos se comparado ao mercado e se caracterizam por elaborar um new make spirit bastante concentrado e untuoso. Quanto menor o alambique, mais calor e sabor ele produz; funciona como uma panela de pressão. A marca possui um dos menores níveis de aproveitamento da Escócia. Apenas 16% do que sai dos alambiques é levado aos barris para envelhecer. Essa porção nobre da bebida, retida em um estágio específico do processo de destilação, é a mais rica em aromas e sabores, e confere uma excelência única. Por isso também, bebidas super premium, com álcool mais puro e rico em sabor, são conhecido por dar “menos resseca”, se comparadas às bebidas comuns.

(Foto: divulgação)

Uma bebida tão nobre como os whiskies The Macallan não pode ser degustada de qualquer forma. Ao final do Taste Experience, o embaixador deu dicas de como tomar o whisky  da forma correta. Segundo ele, não é aconselhável, por exemplo, chacoalhar a bebida; por ser mais volátil, os vapores do álcool sobem antes de qualquer elemento. O embaixador aconselha: pegue uma taça, tombe ela 45 graus e gire a taça com o whisky para molhar a superfície interior; com isso todos os componentes da bebida vão evaporar por igual, e assim é possível sentir os aromas mais facilmente. Com a boca aberta, encosta-se a taça perto do nariz e sente-se o aroma do whisky para se criar um fluxo de ar no nariz, dessa forma não se concentra tanto vapor de álcool nas narinas. É preferível fazer isso primeiro de um lado do nariz e depois de outro.

In this article

Join the Conversation