Confira as principais peças do Festival de Curitiba 2019 - TOPVIEW

Confira as peças que você não pode perder no Festival de Curitiba 2019

Conversamos com personalidades curitibanas para te dar as melhores dicas

1625 0
Compartilhe

O Festival de Curitiba está na sua 28ª edição e, ao longo dos seus 27 anos presentes na capital, ele vem ocupando seu lugar no cenário cultural nacional. Hoje, a data é uma oportunidade para artistas nacionais e regionais mostrarem o seu trabalho para o grande público.

Atualmente o festival conta com 8 segmentos de eventos, espetáculos e peças teatrais. São eles: Mostra, Mostra Convidada, Interlocuções, Fringe, Programa Guritiba, MishMash, Risorama e Gastronomix.

Esse ano a programação apresenta muitas novidades e espetáculos inéditos na cidade. Conversamos com algumas personalidades curitibanas para saber o que elas pretendem assistir e quais as apostas e recomendações para esse ano. Confira e coloque na sua programação!

22 (!!) peças para não perder no Festival de Curitiba 2019

Elza

Larissa Luz, Janamô, Júlia Tizumba, Késia Estácio, Khrystal, Laís Lacôrte e Verônica Bonfim representam os 81 anos de vida da cantora. (Foto: Leo Aversa).

Uma homenagem à cantora Elza Soares. No palco, as múltiplas facetas de Elza e as reviravoltas de sua vida são mostradas no espetáculo. Canções como “Lama”, “O meu guri”, “A carne”, “Se acaso você chegasse” e muitas outras fazem parte do repertório. O musical é dividido em momentos que definem a vida da cantora, desde seu nascimento e infância pobre, no Rio de Janeiro, até o sucesso da carreira nos dias de hoje.

Serviço
Sexta-feira e sábado (05 e 06/04), às 21h
Teatro Guaíra – Rua XV de Novembro, 971 – Centro
Ingressos aqui

Psicose 4h48 

Psicose 4h48. (Foto: Chico Nogueira)

A peça discorre sobre depressão psicótica e sobre o que acontece à mente de uma pessoa quando desaparecem por completo as barreiras que distinguem a realidade das diversas formas de imaginação. Apresentando a história de uma menina depressiva e suicida, muitas questões sociais e médicas são abordadas.

Serviço
Segunda e terça-feira (1º e 02/04), às 19h
Caixa Cultural – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Centro 
Ingresso aqui

Árvores abatidas ou para Luis Melo

Árvores abatidas ou para Luis Melo. (Foto: Henrique Araujo / CLIX)

Uma mulher que em um jantar, em homenagem ao famoso ator, percebe que está, na verdade, em uma reunião de talentos medíocres. Arrependida de ter aceitado o convite, e enquanto espera o famoso ator, que nunca chega, ela reflete sobre sua vida e o meio que a cerca.

Serviço
Quinta-feira a domingo (28 a 31/03), às 19h 

Caixa Cultural – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Centro
Ingressos aqui

A pequena abelha e a árvore alta

A pequena abelha e a árvore alta. (Foto: Maringas Maciel)

O espetáculo dá continuidade a pesquisa poética da Trupe Ave Lola, levando a cena um universo fantástico. A história acontece na época áurea do ciclo da borracha, em Manaus de 1911. Três mulheres de povos distintos são desafiadas a enfrentar os medos e as ameaças de uma dura realidade.

Serviço
Quarta-feira a domingo (27/03 a 07/04), às 19h
Rua Marechal Deodoro, 1227 – Centro
Ingressos aqui

Animalesca fortunada aventura de reconto de amor e morte

Animalesca fortunada aventura de reconto de amor e morte. (Foto: Divulgação).

Com oito indicações e duas premiações no Troféu Gralha Azul 2018, a peça conta a história de uma trupe de teatro que guiada por um estranho diretor resolve montar um “grande espetáculo”. Com humor, a trama se desenvolve num clima de desconfiança sobre o ineditismo de tal “obra-prima”.

Serviço
Sábado e domingo (30 e 31/03), às 21h
Teatro Cena Hum – Rua Senador Xavier da Silva, 166 – São Francisco
Ingressos aqui

MOMO: O anarquista coroado (31/03)

MOMO: O anarquista coroado. (Foto: Cibelle Gaidus).

Dando continuidade a uma pesquisa que busca a construção de uma mitologia pessoal pelas ruas de Curitiba, o performer Ricardo Nolasco convida para uma ocupação ritual do espaço público em um jogo coletivo influenciado pelo estudo do tarot na evocação de figuras como Gilda, rei rainha Momo e Artaud.

Serviço
Domingo (31/03), às 16h20
Teatro Universitário de Curitiba – Travessa Nestor de Castro, s/nº – Centro
Ingressos aqui

*As peças acima foram indicações de Marcus Yabe, publisher da TOPVIEW.

Outros (28 e 29/03)

Grupo Galpão exercita a escuta social em “Outros”. (Foto: Guto Muniz).

Com direção de Marcio Abreu, novo trabalho dialoga com a performance e investiga os atuais sentidos do fazer artístico no Brasil contemporâneo. A poesia, a escuta, a alteridade, o olhar para a dimensão do espaço público compõem uma dramaturgia sonora e sensível aos tempos atuais.

Serviço
Quinta e sexta-feira (28 e 29/03), às 21h
Teatro da Reitoria – Rua XV de Novembro, 1299 – Centro
Ingressos aqui.

Odisséia

Livremente inspirado em “A Odisseia”, de Homero. (Foto: Divulgação).

Inspirada no épico de Homero, a Cia. Hiato comemora dez anos. Como rapsodos antigos, sete atores recontam odisseias pessoais e coletivas, oscilando entre realismo e fantasia, desenlaçam memórias, dúvidas e sonhos a partir de uma crítica social dos personagens do épico grego.

Serviço
Quinta e sexta-feira (04 e 05/04), às 18h
Rua Doutor Alcides Vieira Arcoverde, 1225 – Jardim das Américas
Ingressos aqui

*As peças acima foram indicações de Leandro Garcia, arquiteto.
**A peça “Outros” também foi indicada por Giovana Soar, atriz da Companhia Brasileira de Teatro.

Dezembro (04 a 07/04)

Dezembro. (Foto: Eika Yabusame).

Num futuro próximo, o Chile trava uma guerra contra o Peru e a Bolívia. Em Santiago, na véspera de Natal, o soldado Jorge e suas irmãs discutem sobre política, nacionalismo e família, pois ele deve voltar no dia seguinte para o campo de batalha. As irmãs discordam sobre o que ele deve fazer: fugir ou lutar. Ao longo da noite, recebem algumas visitas inusitadas, descobrem segredos entre eles e a discussão culminará na decisão de Jorge. Uma comédia ácida, que trata de assuntos graves como a xenofobia, a solidariedade, a guerra e os estados de exceção.

Serviço
Quinta-feira a domingo (04 a 07/04), às 19h
Museu Oscar Niemeyer – Rua Mal. Hermes, 999 – Centro Cívico
Ingressos aqui

Furia

Fúria. (Foto: Divulgação).

De que lugar estamos falando? Por que estamos falando? Sobre quem estamos falando? Como estamos falando? Para quem estamos falando? Como podemos ser guiados por um radar delicado e, neste lugar, específico e singular que é o palco, criar um mundo? Um mundo de estrondos e fúrias. Contém cenas de nudez.

Serviço
Quinta-feira – e sexta-feira (04 e 05/04), às 21h
Teatro da Reitoria – Rua XV de Novembro, 1299 – Centro
Ingressos aqui

Tripas: Pedro Kosoviski 

Tripas .(Foto: Lourenço Monte-Mór)

De que lugar estamos falando? Por que estamos falando? Sobre quem estamos falando? Como estamos falando? Para quem estamos falando? Como podemos ser guiados por um radar delicado e, neste lugar, específico e singular que é o palco, criar um mundo? Um mundo de estrondos e fúrias. Contém cenas de nudez.

Serviço
Sábado e domingo (06 e 07/04), às 19h
Teatro Paiol – Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho
Ingressos aqui

*As peças acima foram indicações de Giovana Soar, atriz da Companhia Brasileira de Teatro.

Performance/Não Performance

Performance/Não Performance. (Foto: Reprodução).

A performance é a Parte 2 da série #WhatIsPerformanceArt e irá buscar dois estados: Performance e não-performance. No estado de performance uma câmera será utilizada para registrar e mostrar ao vivo o que o próprio artista verá durante as suas ações. Na não-performance o registro prévio será exibido para amplificar a natureza dupla da performance explorada pela existência de uma performance através do seu desaparecimento automático.

Serviço
Quarta-feira (03/04), às 17h
Galeria Ponto de Fuga – Rua Saldanha Marinho, 1220 – Centro 
Entrada gratuita 

Para não morrer

Para não morrer. (Foto: Samira Chami Neves/Clix).

Idealizada por Nena Inoue a partir da obra “Mulheres”, de Eduardo Galeano, a peça aborda temáticas feministas e femininas atreladas a questões politicas. Indicada ao Troféu Gralha Azul nas categorias Atriz, Espetáculo, Direção, Cenário, Figurino e recebeu o Prêmio de Melhor Atriz de 2017, do Governo do Estado do Paraná e em março, o Prêmio Shell do Rio de Janeiro, por sua atuação.

Serviço
Sexta-feira a domingo (05 a 07/04), às 19h
Teatro Lala Schneider – Rua Treze de Maio, 629 – Centro
Ingressos aqui

*As peças acima foram indicações de Pedro Vieira, sócio do Ginger Bar.

PI – Panorâmica Insana

PI – Panorâmica Insana. (Foto: João Caldas)

Prêmio APCA de melhor espetáculo de 2018, Pi – Panorâmica insana, é uma representação irônica do mundo contemporâneo. Com Cláudia Abreu, Leandra Leal, Rodrigo Pandolfo e Luiz Henrique Nogueira, a peça discute temas como indivíduo, civilização, sexualidade, política, violência, nação, miséria, riqueza, gênero e desejo.

Serviço
Sábado e domingo (30 e 31/03), às 21h
Teatro Guaíra – Rua XV de Novembro, 971 – Centro
Ingresso aqui

Recital da Onça

Regina Casé. Comédia “Recital da Onça” – Festival de Curitiba. (Foto: João Pedro Januário).

Solo que marca a volta de Regina Casé aos palcos teatrais depois de mais de 25 anos. Sua personagem recebeu convite de Harvard para inventar um novo formato pop para palestras sobre literatura brasileira para estudantes estrangeiros. Ela precisa ensaiar suas propostas antes da viagem, a partir de textos de nossos grandes autores. “Recital da Onça” é esse “ensaio”. A plateia tem a tarefa de ajudá-la a escolher os textos mais adequados para essa missão e a enfrentar seu pavor de aeroportos, da imigração americana e do frio congelante do inverno em Harvard.

Serviço
Quinta e sexta-feira (28 e 29/03), às 21h
Teatro Guaíra – Rua XV de Novembro, 971 – Centro 
Ingressos aqui

*As peças acima foram indicações de Luciana Petrelli, fotógrafa.
**A peça “Recital da Onça” também foi indicada por Beto César e Daniel Moura, embaixador e produtor de conteúdos digitais da TOPVIEW, respectivamente.

Dogville

Dogville. (Foto: Alan Catan ).

A trama se passa na fictícia Dogville, uma pequena e obscura cidade situada no topo de uma cadeia montanhosa, ao fim de uma estrada sem saída, onde residem poucas famílias formadas por pessoas aparentemente bondosas e acolhedoras, embora vivam em precárias condições de vida. A pacata rotina dos moradores daquele vilarejo é abalada pela chegada inesperada de Grace (Mel Lisboa), uma forasteira misteriosa que procura abrigo para se esconder de um bando de gangsteres. Contém cenas de estupro (sem nudez).

Serviço
Terça e quarta-feira (02 e 03/04), às 21h
Guairinha – Rua XV de Novembro, 971 – Centro
Ingressos aqui

Todos os sonhos do mundo

Todos os Sonhos do Mundo. (Foto: Divulgação).

Para celebrar 30 anos de carreira, o ator e dramaturgo Ivam Cabral decidiu levar à cena seu primeiro solo/recital, no qual mescla relatos sobre sua formação pessoal e artística, sua origem em Ribeirão Claro e suas andanças pelo mundo com sua companhia, Os Satyros.

Serviço
Segunda e terça-feira (1º e 02/04), às 21h
Teatro Paiol – Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho
Ingressos aqui

Fedra 

Fedra. (Foto: Amanda Vicentini).

Inspirado em “Amor de Phaedra”, de Sarah Kane, a hibridez das linguagens esta presente na peça que aborda o mito de Fedra. No texto de Sarah Kane é possível encontrar a violência explícita do movimento teatral da época, nada mais atual do que abordar a banalização da tragédia e do sensacionalismo em cima da violência.

Serviço
Quarta e quinta-feira (27 e 28/03), às 18h a às 21h
Casa Hoffmann – Rua Doutor Claudino dos Santos, 58 – São Francisco
Entrada gratuita

Aquele que Cai (Celui Qui Tombe)

Aquele que Cai (Celui Qui Tombe). (Foto: Geraldine Aresteanu).

Uma plataforma de madeira de seis metros por seis metros, suspensa dois metros, que desce, sobe, balança, balança, gira em torno do seu eixo principal. Seis artistas devem permanecer nela em pé. Ao invés de iniciar o movimento, cada um deles reage a ele. Yoann Bourgeois cria cada um de seus shows como um jogo para experimentar novos princípios físicos. Aqui, os “jogadores” trabalham contra forças centrífugas e centrípetas, tentando manter o equilíbrio, evitando ser o que cai (Celui qui tombe). Um espetáculo fascinante e esclarecedor, ágil, arrojado e com grande força poética.

Serviço
Quarta-feira (27/03), às 21h
Teatro Guaíra – Rua XV de Novembro, 971 – Centro
Ingressos aqui

*As peças acima foram indicações de Beto Cesar, embaixador de marketing da TOPVIEW.
**A peça “Fedra” também foi indicada por Marcus Yabe, publisher da TOPVIEW.
** A peça “Aquele que Cai (Celui Qui Tombe)” também foi indicada por Leandro Garcia, arquiteto.

Meus Cabelos de Baobá

Meus Cabelos de Baobá. (Foto: Divulgação).

O espetáculo de teatro dança nasce do desejo de buscar outras narrativas para a encenação. Através de uma estética negra, Meus Cabelos de Baobá valoriza a identidade negra feminina e sua capacidade de se reinventar. Além de dar luz a cultura da oralidade e corporal tão presentes no universo africano e afro-brasileiro.

Serviço
Quarta a sexta-feira (27 a 30/03), às 21h; e sábado (31/03), às 15h
Guairinha – Rua XV de Novembro, 971 – Centro 
Ingressos aqui

Navalha na Carne negra

Navalha na Carne Negra. (Foto: Sergio Fernandes).

Nessa Navalha na Carne Negra as figuras em jogo não são apenas vítimas ou imagens de uma destituição absoluta. Elas são, sobretudo, figuras em luta: corpos negros ressurgentes. O roubo do dinheiro deixado pela prostituta Neusa Sueli para seu cafetão Vado é o disparador dos confrontos que emergem do impulso reiterado de satisfação.

Serviço
Quarta e quinta-feira (03 e 04/04), às 21h
Teatro Sesc da Esquina – Rua Visconde do Rio Branco, 969 – Centro
Ingressos aqui

O Frenético Dancin Days 

O Frenético Dancin Days. (Reprodução).

Após ser um marco na noite carioca, a boate renasceu em forma de musical e, mais uma vez, a magia se fez. Nelson Motta é um dos autores do texto com a absoluta propriedade de quem foi um dos fundadores da boate e viveu toda a agitação que marcou época. O musical resgata esse clima de celebração da vida, de sentir a felicidade bater na porta e conta a história da Frenetic Dancing´Days Discotheque, boate idealizada, em 1976, pelos amigos Nelson Motta, Scarlet Moon, Leonardo Netto, Dom Pepe e Djalma. Deborah Colker aceitou o desafio e estreou na direção teatral nesta superprodução, com 17 atores e seis bailarinos.

Serviço
Terça e quarta-feira (02 e 03/04), às 21h
Teatro Guaíra – Rua XV de Novembro, 971 – Centro
Ingressos aqui

*As peças acima foram indicadas por Daniel Moura, produtor de conteúdos digitais da TOPVIEW.

Baixe o aplicativo do Festival de Curitiba no seu smartphone e acompanhe toda programação e compra de ingressos. Ele está disponível na AppleStore e GooglePlay.

Neste Artigo


Converse com a Gente