SELF

Nova onda do coronavírus! É permitido fazer cirurgia plástica na pandemia?

O cirurgião pioneiro da lipoaspiração no Brasil, Dr. Luiz Haroldo Pereira, esclarece os cuidados que o paciente precisam ter antes de fazer uma intervenção neste período e revela que o setor continua em alta atividade

Passar por um procedimento estético sempre exige uma série de cuidados importantes. É preciso checar o currículo profissional do cirurgião, as condições da clínica onde será realizada a cirurgia, além de fazer uma série de exames para averiguar se o corpo do paciente está preparado para a operação. Em um momento único como este, em que vivemos uma pandemia, é preciso redobrar a atenção. Mas seguindo as cautelas necessárias, é possível sim. O pioneiro da lipoaspiração no Brasil e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Dr. Luiz Haroldo Pereira, dá dicas de como escolher o melhor local para a cirurgia e quais são os cuidados mais importantes durante a preparação para o procedimento estético.

Nem todos os procedimentos precisam de hospital

“Aplicação de botox, preenchimentos e outros procedimentos mais simples, podem ser feitas em consultório, enquanto todas as cirurgias são feitas em ambiente hospitalar”, explica Dr. Luiz Haroldo. Para ampliar a segurança, o paciente pedir ao consultório a confirmação de que toda a equipe profissional é testada periodicamente. Além disso, o próprio paciente precisa passar por teste PCR e ter confirmação do resultado negativo.

Setor continua em forte atividade

O Dr. Luiz Haroldo conta que a chegada da pandemia ao Brasil afetou a quantidade de procedimentos estéticos, apenas nos primeiros meses. “ Muitos pacientes sentiram medo no começo da pandemia, mas a partir de agosto a demanda reprimida provocou alta nos procedimentos. As pessoas têm buscado os hospitais que testam a equipe, os pacientes e os acompanhantes.”

Os hospitais têm tomado medidas para minimizar as possibilidades de contaminação, mas não há possibilidade de garantir um ambiente livre do Coronavírus. O cirurgião esclarece que onde há mais risco, não são realizadas cirurgias eletivas. “Os hospitais com muitos pacientes de Covid-19 estão cancelando os procedimentos cirúrgicos não urgentes. Por isso, o paciente só vai ser atendido para um procedimento estético onde há pouca ou nenhuma presença de infectados. Mas, por outro lado, não é possível classificar todo um edifício como Covid-free”.

Deixe um comentário