SELF

Faz mal? Descubra 4 mitos e verdades sobre o veganismo na gravidez

Passando por doenças e suplementação, nutricionista esclarece as principais dúvidas sobre o tema

Uma alimentação correta e balanceada é de suma importância para manter a saúde durante a gravidez, principalmente tratando-se de adeptos do veganismo. Mas se engana quem associa a prática a uma dieta de riscos durante o período gestacional. Segundo o Conselho Regional de Nutrição da 3ª região, o consumo e ingestão de alimentos livres de origem animal é benéfico para as gestantes desde que o valor nutricional e vitamínico esteja adequado para o pleno desenvolvimento do bebê.

Cyntia Maureen, nutricionista da Superbom, empresa pioneira na produção de produtos veganos e vegetarianos, tira as principais dúvidas sobre o tema, apontando os mitos e verdades da dieta vegana durante a gravidez.
 

A dieta vegana traz riscos na gravidez

MITO: A dieta vegana, se acompanhada de um planejamento adequado junto de um nutricionista, não traz riscos durante a gravidez. “A dieta pode inclusive trazer muitos benefícios, como a diminuição de queixas de azia e queimação, devido à digestão mais rápida proporcionada por alimentos vegetais. Outra vantagem é a melhora do funcionamento do intestino, em razão do maior consumo de fibras e água presentes na alimentação”, explica a nutricionista.
 

A prática vegana evita doenças

VERDADE: A alimentação livre de produtos de origem animal pode ser benéfica e prevenir doenças. Com isso, Cyntia explica que a dieta pode ser uma aliada durante o ciclo gestacional. “Existem estudos, como o publicado no Journal of The Academy of Nutrition and Dietetics, que reiteram suas vantagens. Entre elas, destacam-se a prevenção da hipertensão, ganho de peso, diabetes e obesidade”, complementa.
 

Necessidade de suplementar a alimentação

VERDADE: Embora a dieta vegana seja saudável e completa, nem sempre é possível manter bons índices de vitamina B12, encontradas em alimentos de origem animal como carne vermelha, peixe, frango e ovos. Neste caso, é fundamental para as grávidas o acompanhamento de um nutricionista para verificar os índices de B12, e se há necessidade de suplementação. “A atenção durante a gravidez é crucial para a saúde da gestante e do bebê. Portanto, é recomendado a avaliação dos índices vitamínicos da paciente, e se preciso, introduzir uma suplementação adequada. Também já é possível encontrar no mercado alimentos veganos, como carnes plant-based, que são suplementados com a vitamina B12”, afirma Cyntia.
 

Proteínas vegetais suprem a necessidade das animais

VERDADE: As proteínas vegetais são iguais ou até mais nutritivas que as de origem animal. Mas como as de origem vegetal dispõem de concentrações menores de aminoácidos, é importante que sejam ingeridas com carboidratos integrais para se completarem nesse sentido. “Legumes como feijões, lentilha, ervilha e grão-de-bico são ótimas opções como fontes de proteína vegetal. Para o dia-a-dia é uma excelente opção a combinação do arroz e feijão, tendo em vista o alto valor nutricional dos dois juntos”, finaliza a nutricionista Cyntia Maureen.

Deixe um comentário