SELF

Executivos contam como equilibrar a rotina dos negócios com a paternidade

Com o Dia dos Pais se aproximando, executivos de onze empresas falam sobre os desafios dessa jornada

Estar presente no dia a dia dos filhos pode ser um desafio em meio ao ritmo acelerado imposto pelo mercado de trabalho e rotina nas grandes cidades. E isso pode se tornar ainda mais difícil quando a figura paterna ocupa uma posição de alto escalão em seu trabalho. No entanto, é possível conciliar carreira com uma paternidade presente e cheia de afeto. 

Com o Dia dos Pais se aproximando, executivos de onze empresas contam como equilibram a rotina de seus negócios com a paternidade, falam sobre os desafios dessa jornada e sobre a importância de estar presente com os filhos e a família. 

Daniel Corrêa, CEO e founder da Multiplicar Investimentos 

Daniel Corrêa, CEO e fundador da Multiplicar Investimentos, holding de investimento misto com atuação nacional e internacional, é pai da Luna, de 7 anos, sua grande paixão. O empreendedor explica que o equilíbrio acontece porque ele estabelece o que é prioridade em cada momento da sua vida. “

A minha prioridade é a Luna, minha filha, e tento conciliar isso com minhas tarefas diárias. Eu e ela temos um combinado: eu posso viajar de dia de semana, mas de quinta a domingo devo estar em Goiânia e principalmente dar atenção a ela, que, com toda sua experiência de 7 anos de idade, me cobra isso”, ressalta o executivo. 

Daniel também reforça a importância de ter tomado a decisão de ser pai. “A rotina é cansativa, mas consigo alinhar bastante coisa delegando para os meus liderados que estão próximos a mim e também fazendo calls”, diz o CEO. 

Ele também conta que Luna sempre fala que deseja ser investidora como o pai quando crescer, para ganhar dinheiro e assim, poder ajudar outras pessoas. “Eu sempre falo isso para a Luna, que o dinheiro é uma ferramenta que precisa ser aplicada para um bem maior, como ajudar o próximo”, finaliza Corrêa. 

Mauricio Villar, COO e co-fundador da Tembici

Para Maurício Villar, COO e co-fundador da Tembici, líder em micromobilidade na América Latina, a administração do tempo é fundamental para a qualidade de vida, especialmente durante a pandemia:

“Meus horários estão muito mais rígidos que antes da pandemia. Reservei na agenda 1 hora por dia para leitura de livros variados, não apenas de negócios e 2 horas por dia para ficar com a família, tenho uma filha de quase dois anos e é primordial o tempo que passo com ela. Vejo como muito importante a separação clara dos momentos para as frentes profissional e pessoal”, conta o executivo.

Isaac Paes, CEO e fundador do OiMenu

Isaac Paes, CEO e fundador do OiMenu, conta que o ramo de restaurantes é muito movimentado durante todo o dia e as demandas continuam chegando até mesmo no período da noite – o que torna tudo ainda mais desafiador para ele. No entanto, para equilibrar sua vida de executivo com a de pai, Isaac explica que segue uma rotina planejada e focada não só em balancear as suas duas grandes prioridades, como também cuidar da saúde física e mental para continuar dando conta de tudo. 

Segundo Isaac, o trabalho home office adotado durante o último ano fez com que ele se aproximasse ainda mais de seu filho de três anos e, juntos, criaram algumas rotinas dentro de casa. Atualmente, de volta ao escritório, ele não abandonou o costume de estar presente quando o filho acorda e passam o começo do dia juntos. Isaac explica que começou a participar das reuniões matinais virtualmente para que não aconteça de o pequeno começar o dia sem um contato com o pai. Além disso, ele passou a almoçar diariamente com a família e adotou a rotina de sair mais tarde do escritório, para que consiga focar 100% em sua família quando chegar em casa – até a hora de colocar o filho para dormir. 

“A maior lição que eu tomei depois de priorizar esse equilíbrio entre o trabalho e a família é que não importa a idade dos filhos, um pai sempre irá aprender com os seus descendentes. Meu filho me ensina muito e todos os dias me faz valorizar cada vez mais os nossos momentos do dia a dia. Aos finais de semana buscamos estreitar ainda mais a nossa relação e fazemos as mais diversas atividades juntos, como passeios ao ar livre e visitas aos avós”, finaliza Isaac.

Rodrigo Schiavini, fundador e diretor de negócios da SmartHint

Rodrigo Schiavini é fundador e diretor de negócios da SmartHint, sistema de busca e recomendação para e-commerces de todos os portes que usa inteligência artificial para compreender o comportamento de cada cliente no e-commerce e, assim, personalizar e elevar a experiência de compra online. Depois de assistir uma palestra em 2012, ele decidiu seguir uma nova disciplina de rotina em sua vida: Todos os dias, por volta das 18h, ele encerra o trabalho e aproveita o início de noites com as filhas, seja lendo livros, brincando e até assistindo um filme.

“Sou pai de duas meninas, uma de cinco e outra de dez anos. No futuro não poderei dizer que não vi minhas filhas crescerem e que não participei da infância delas. Eu vejo elas crescerem e cresço com elas também e até hoje fazemos muitas coisas juntos, em família.” diz Schiavini. 

André Wetter, presidente e cofundador da a55

André Wetter é presidente e cofundador da a55, fintech presente no Brasil e México que viabiliza crédito para empresas de tecnologia, mas também é o pai da Olivia, que completa três meses em agosto.

“No começo foi mais difícil, porque um bebe recém-nascido não tem rotina. Agora que ela está começando a ter um horário para dormir, horário para acordar e eu consigo encaixar a rotina dela na minha. No início, eu me dividia entre ficar com ela e equilibrar os pratos no trabalho”.

Durante a semana, Wetter reserva diariamente o início da manhã e o final do dia para ficar com sua filha. “Eu acordo junto com ela, umas 6h ou 7h, faço toda a rotina da manhã com ela antes de ir trabalhar, por volta das 9h. No fim da tarde volto para casa e continuo trabalhando de lá, faço a rotina do final do dia com ela, dou banho, converso e faço ela dormir. Depois que ela dorme, eu continuo trabalhando de casa mais um pouco”.

Segundo André, quando você empreende, não existe hora para acabar e sempre há o que fazer, então, para encontrar esse equilíbrio, é importante ter mais eficiência, organizar mais os horários e a rotina e estar preparado para imprevistos. 

Wetter também fala sobre a importância de se desligar para aproveitar os momentos com sua filha. “Quando eu acordo, já tem mensagens e vários assuntos do trabalho na minha cabeça. Eu tive que mudar isso, deixar o celular longe e me desconectar para desfrutar do tempo com ela. Hoje, quando eu a pego nos braços, eu realmente estou lá, e os problemas ou estresse de um dia pesado acabam desaparecendo, ela me ajuda”, finaliza.

Fabio Zausner, CEO da Tudu 

Além de CEO da Tudu, startup que tem a proposta sustentável de vender roupas e objetos somente sob demanda, Fabio Zausner também é pai da Júlia, de seis anos, e do Sami, de quatro anos. O executivo conta que no começo, com o nascimento da primeira filha, foi um período mais difícil para equilibrar a vida pessoal e profissional.

“Estávamos fazendo uma aquisição de um concorrente naquela época, eu fazendo MBA. Eu tive que me dividir bastante e fazer um esforço adicional para tudo acontecer, foi cansativo. Já o nascimento do Sami, foi mais tranquilo, mas descobrimos que um mais um pode ser bem mais do que dois”, brinca. 

Fabio conta que o home office fez muita diferença na relação com os filhos. “Passei a ter muito mais contato com eles durante o dia, começamos a almoçar juntos e eu fazia mais pausas para ficar mais com eles. O desafio foi me manter isolado nos momentos de trabalho”. Agora, a estratégia adotada pelo executivo é buscar o equilíbrio e focar no momento presente.

“É um desafio trabalhar 24h por dia e ser pai 24h por dia. Como estamos conectados o dia inteiro, as coisas se misturam, o que eu procuro fazer é estar com a cabeça focada no momento e separar as coisas. Na hora que eu estou com eles, eu estou totalmente ali, aproveitando. Além disso, eu procuro chegar sempre mais cedo em casa para passar mais tempo com eles e trabalhar somente depois que eles vão dormir”, acrescenta. 

Rafael Izidoro, CEO da Rispar

Para Rafael Izidoro, CEO da Rispar, primeira fintech a oferecer crédito em reais tendo bitcoin como garantia, o grande desafio de ser pai e CEO é saber encontrar o equilíbrio. “Saber priorizar se torna mais importante do que nunca. A falta de prioridade pode acabar custando momentos preciosos com a família, o que pra mim seria a pior falha como pai. O papel de pai e CEO se cruzam em diversos aspectos, como liderança, coaching, etc. Ser pai me tornou um CEO melhor” explica Rafael.

Rodrigo Silveira, co-fundador da labsit

De acordo com Rodrigo Silveira, co-fundador da labsit, empresa especialista em soluções de tecnologia e softwares sob medida para empresas e startups, o negócio deveria estar alinhado com seu propósito. “Quando criamos a labsit tínhamos a convicção que todos os nossos humanos teriam a possibilidade de estar/trabalhar onde se sentissem melhor, naquele momento eu não sabia mas, dois anos depois, isso me permitiria acompanhar todos os primeiros passos do Caio, estar presente em cada conquista, cada descoberta e cada pequena evolução. Hoje, com quase 12 meses, ele tem a rotina dele e eu a minha, porém consigo, entre uma call e outra, trocar uma fralda, cantar uma música, brincar um pouco e ser o responsável pelo almoço dele todos os dias. Além disso, as últimas reuniões de cada dia sempre recebem a visita dele, todos o conhecem, interagem e sabem que ali, acima de um colega, tem um pai muito feliz”, explica Rodrigo. 

Michel Lopes, co-fundador da labsit 

Já para Michel Lopes, também co-fundador da desenvolvedora labsit, a flexibilidade possibilita laços insubstituíveis. “Pai para mim é ser parte integral da vida da minha filha, existe um tabu de que as tarefas diárias são responsabilidades da mãe, porém trocar fraldas, dar banhos e simplesmente brincar com ela, são formas de me conectar a ela. Eu tenho a necessidade de me sentir presente, algo que me torna mais próximo e com vínculo que através do carinho dela comigo, vejo que é grande! O melhor e mais gratificante projeto da minha vida com certeza é ser Pai”, aponta Michel. 

Guilherme Murtinho, Managing Partner na Transfero 

Guilherme Murtinho é Managing Partner e Chief Marketing Officer da Transfero, empresa internacional de soluções financeiras baseadas em tecnologia Blockchain, mas também é pai da Nina, que tem sete anos. Para o executivo, equilibrar a paternidade e o trabalho no home office tem sido um desafio. “Vendo os pais em casa, ela tem aquela segurança de que estamos disponíveis para ela o tempo inteiro. O desafio é mostrar que apesar de estarmos ali, nem sempre conseguimos atendê-la no momento que ela gostaria. Às vezes ela entende e às vezes é conveniente não entender”, brinca. 

Ao mesmo tempo, o trabalho remoto aumentou ainda mais o vínculo de Guilherme com a filha. “Entre uma reunião e outra temos espaço para conversar, ajudar com alguma tarefa, fazer as refeições juntos. Temos esse hábito de sempre sentar à mesa para fazer as refeições juntos. O momento do banho também. Eu tento manter essa rotina de momentos para que ela entenda que é uma coisa de pai e filha”.

O executivo produz mais pela manhã, quando a filha está na escola e, durante a tarde, tenta equilibrar a rotina, além de reservar a noite para ficar com a filha. Guilherme também comenta que a Nina começou a ter mais contato com seu trabalho e entender o que ele faz.

“Às vezes me pergunta: ‘papai, você está em call, pode falar?’ É um aprendizado de ambos os lados”. No entanto, Murtinho ressalta que sem o suporte de sua esposa, Juliana, nada seria possível. 

Lucas Schoch, CEO da Bitfy

Para Lucas Schoch, CEO da Bitfy, primeira carteira multiuso e sem custódia de bitcoins do Brasil, ser um pai empreendedor é desafiador, principalmente quando seus 2 filhos moram em outra cidade. “Meu trabalho acaba consumindo muito dos meus dias, e, às vezes, até meus fins de semana. Porém, quando tenho a oportunidade de estar com meus filhos, faço de tudo para que esse dia seja perfeito para eles. Nesse dia, eles fazem o que têm vontade (com um certo limite, claro) e nós 3 nos divertimos muito. Me mantenho distante do trabalho para me dedicar exclusivamente a esse momento e aproveitamos muito bem nosso tempo, porque esse dia é todo deles”, conta. 

Deixe um comentário