Educação Ambiental para crianças nas escolas - TOPVIEW

Educação Ambiental: da tampinha de garrafa pet ao reaproveitamento de materiais escolares

Como pequenas atitudes podem ensinar a sustentabilidade para as crianças

379 0
Compartilhe
Educação Ambiental

Um pedido na agenda da escola do David acabou virando um vício aqui em casa. Juntar lacres de latinhas e tampinhas de plástico para serem destinados a ONGs e transformados em dinheiro para projetos sociais e ambientais. O pedido já virou hábito: juntamos o ano todo, inclusive nas férias!

E esse cuidado com o meio ambiente e a preocupação em ajudar o próximo é algo que deve ser despertado desde a infância! Aproveitei para conversar com a Melissa Barbosa, coordenadora de Comunicação Institucional da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Segundo ela, sempre fomos conectados com a natureza, mas a vida na cidade acabou nos distanciando dela. “Quanto antes esse contato for estimulado, mais natural será essa relação. Quando os adultos estimulam as crianças a vivenciar áreas verdes, despertam o interesse dos pequenos pelas plantas e pelos animais. Este é o melhor momento para explicar a nossa interconexão e dependência em relação à natureza. Assim, estimulamos e ensinamos uma nova geração a respeitar e valorizar o meio ambiente”, afirma.

Além de estimular a proteção à natureza, é importante também que as crianças mantenham contato com o verde, pode ser no quintal de casa, na pracinha, na praia ou em áreas de preservação. “Isso é essencial para o desenvolvimento. Estudos apontam diversos benefícios relacionados à capacidade motora, aos estímulos visuais e de espaço, a aspectos cognitivos, físicos, mentais e emocionais. Na natureza, a criança está exposta a desafios e superações. Ela é imprevisível e é exatamente isso que faz com que os pequenos se tornem mais seguros e tenham a curiosidade estimulada”, complementa Melissa. 

Material escolar – A frase “Como nossa escola pode reduzir o impacto ambiental?”, escrita no mural do Colégio Positivo Internacional, há três anos, fez com que a pequena Helena Giotto, então com 9 anos de idade, pensasse em uma forma de ajudar o meio ambiente e desse os primeiros passos para que a escola implantasse a chamada logística reversa, uma solução para o material didático de seus alunos após o uso. Atualmente, o projeto está concretizado e prevê a reciclagem dos livros didáticos usados durante o ano. A receita arrecadada com a comercialização retorna para o colégio e os alunos ajudam a decidir o que será feito com o dinheiro.

Dica da Semana – O Shopping Jardim das Américas lança a 2ª Edição do Ponto de Trocas de materiais e uniformes escolares. Uma iniciativa inovadora que está de volta ao mall. O posto de trocas ficará no 1º Piso, de 09 de janeiro a 1º de março, durante o horário de funcionamento do Shopping. Pais e alunos podem levar os materiais escolares, uniformes, livros e apostilas em bom estado para doação até o Ponto de Trocas, ou combinar com outros interessados para se encontrarem e trocar. As negociações ficam sob responsabilidade dos próprios pais.

Sobre a Autora

Eu sou a Danielle Sommer, jornalista, autora de livros infantis e mãe do David, 7 anos, e da Amanda, 4 anos. Aqui vamos conversar um pouquinho sobre esse universo corrido e apaixonante que entramos quando somos promovidos a mães e pais! Ah! O conteúdo é liberado também para avós, tios, dindos e quem mais quiser trocar dicas conosco. Aqui você vai ler roteiros, desabafos e entrevistas.

Quer falar comigo? danisommer@gmail.com. Aproveite para curtir no Facebook e no Instagram.

In this article


Join the Conversation