Como fica a pensão entre cônjuges após o divórcio - TOPVIEW

Você sabe como fica a pensão entre cônjuges após o divórcio?

Após a separação, entenda como funciona a pensão entre os cônjuges e se existe esta obrigatoriedade

0
Compartilhe
pensão entre cônjuges

Antigamente não se falava em pensão entre cônjuges. A pensão alimentícia para os homens era rara, porque pouco se falava em “desquite”. Ao homem cabia ser o provedor do lar e a esposa dedicar-se exclusivamente às tarefas domésticas e aos filhos.

Com o advento da Constituição Federal de 1988, a igualdade entre homens e mulheres em direitos e obrigações foi uma das maiores conquistas, mas o fruto desta liberdade e independência que nos foi dada é a mudança jurisprudencial em relação a pensão alimentícia.

Após o divórcio: pensão entre cônjuges

A regra de concessão de pensão alimentícia para a mulher virou exceção, em razão dessa independência que conquistamos; e o mesmo vale para os homens! Sim, você não leu errado: os homens também têm direito a pensão alimentícia! O Código Civil estabelece a obrigação recíproca, portanto, podendo recair sobre homens ou mulheres a depender da possibilidade e necessidade econômica-financeira de cada um e da realidade social do ex-casal.

Mas, como dito acima, é a exceção! A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça atualmente entende que a obrigação alimentar do ex-cônjuge é excepcional e transitória, salvo quando presente a incapacidade laborativa ou a impossibilidade de inserção no mercado de trabalho.

No caso dos ex-cônjuges a obrigação alimentar não decorre do dever de sustento, inerente ao exercício do poder familiar dos pais em relação aos filhos, mas, sim, em razão do princípio constitucional da solidariedade, como prolongamento do dever de mútua assistência que orienta a relação conjugal.

Se for um divórcio consensual, as partes poderão estabelecer da forma que quiserem a prestação alimentícia ou, inclusive, dispensarem a obrigação. Sim, ao contrário da pensão alimentícia para as crianças, a pensão entre cônjuges, por ser direito disponível, pode ser renunciada se assim firmarem. Mas, atenção! A cláusula de renúncia de alimentos constante no acordo de divórcio é válida e eficaz, não permitindo ao ex-cônjuge que a renunciou arrependa-se posteriormente. Os Tribunais pátrios entendem que o mero arrependimento não pode e nem deve merecer chancela judicial, pois não havendo vício de consentimento (coação, ameaça, etc.) ao assinar o acordo, o arrependimento não é causa de nulidade do mesmo.

Portanto, não há dúvida acerca da possibilidade de um dos cônjuges pedir alimentos em face do outro, contudo, no caso de divórcio litigioso, serão fixados alimentos desde que comprovada a necessidade de quem o pede e a possibilidade de quem o paga, até que o cônjuge alimentado possa se reorganizar financeira e profissionalmente.

Aconselho sempre a elaboração de planilha com as despesas básicas que o cônjuge alimentado possui para amparar o valor pleiteado a título de pensão alimentícia e o pedido liminar em caso de urgente necessidade.

Sobre a colunista

Advogada inscrita na OAB/PR nº 61.717, Cristiane Goebel Salomão é especialista em Direito Processual Civil e Direito de Família, se destacou desde cedo na atuação em Divórcios, Dissoluções de Uniões Estáveis, Regulamentação de Visitas, Execução de Pensão. Hoje, sua grande paixão é a área de Família, na qual consolidou a maior clientela. Em seu trabalho utiliza muito da experiência adquirida enquanto trabalhou como conciliadora no Juizado Especial Cível, Criminal e da Fazenda Pública em São José dos Pinhais (Paraná). Natural de Porto Alegre (Rio Grande do Sul), escolheu Curitiba para fixar residência e construir carreira.

Neste Artigo


Converse com a Gente