Mercado de escritórios pode ter mudança na postura de locatários - TOPVIEW

Mercado de escritórios pode ter mudança na postura de locatários

Tendência é de busca por melhores custos e reavaliação de espaços

24 0
Compartilhe

Empresas locatárias reavaliam necessidades e custos para repensar o formato de seus escritórios. Apesar de um primeiro trimestre com grande volume de negociações, como mostra o estudo First Look realizado pela JLL, o mercado de escritórios de alto padrão sentiu desaceleração em vista da pandemia do coronavírus e ensaia retomada da movimentação em busca de novos modelos.

Segundo Paulo Casoni, Diretor de Transações da JLL, a experiência com o home office e a necessidade de escritórios com mais espaço entre os colaboradores podem mexer com a postura dos locatários. “As decisões estratégicas serão fundamentais. Não podemos nem falar em demandas por setor, já que cada empresa estará voltada para dentro de seu histórico e sua situação financeira, assim como para política interna e perfil de operação, no momento de tomar as decisões”, explica.

Dos 93 mil m² absorvidos no primeiro trimestre de 2020, 18% ficaram a cargo da WeWork na região da Berrini/Chucri. Para Casoni, coworkings que possuem modelos de contrato de longo prazo sentiram menos a crise em detrimento daqueles que trabalham com maior rotatividade em seus espaços. Contudo, podem se mostrar uma opção para o redesenho de escritórios em breve. 

Flexibilidade em busca de redução de custos

O estudo da JLL revela que a taxa de vacância na cidade de São Paulo ficou em 19,3%, caindo 1,2 p.p. em relação ao trimestre anterior e 3,7 p.p. em comparação com o mesmo período do ano passado. A estimativa é que o índice permaneça estável com tendência de leve queda.

Apesar da expectativa de movimentações futuras em busca de melhores custos, o preço médio pedido de aluguel também não deve sofrer alterações significativas. “Onde o preço é mais alto – regiões nobres da cidade – e poderia haver pressão para queda, a vacância é baixa. Já nas regiões com maior vacância, os preços já vinham sendo negociados com bastante flexibilidade”, esclarece Casoni.

In this article

Join the Conversation