Futuro modificado - TOPVIEW

Futuro modificado

Na última parte da trilogia especial sobre o isolamento causado pelo novo coronavírus, nossos colunistas indicam suas apostas para o momento que viveremos no pós-pandemia

Compartilhe

COLUNISTA SOCIAL
Nadyesda Almeida
Gostaria de ter certezas sobre os aprendizados nestes tempos difíceis, mas ainda não tenho! Uma coisa é certa para mim: quem já tinha um olhar voltado para o próximo intensificou seus trabalhos assistenciais. Exemplo disso é o Projeto Luz, da incansável Luciana Almeida. Se realmente tudo isso que estamos vivendo não cair em esquecimento, vai nos deixar muitos aprendizados, que somente no futuro poderemos confirmar quais são!

Na vida pós-Covid-19, teremos de repensar os paradigmas e valores que adotamos na vida profissional e pessoal. Talvez o uso de máscaras e álcool em gel seja incorporado na rotina das pessoas. O home office poderá ser uma opção de escolha e não uma forma de trabalho que precisou ser adotada devido à pandemia. Fala-se muito em números de óbitos e, com certeza, cada pessoa que partiu deixou um vazio imenso em suas famílias. E nisso não há aprendizado. Só a dor da perda, que é irreparável. Então, os aprendizados são de acordo com o que cada um viveu nessa pandemia. Eu, particularmente, tenho a esperança de que tudo passe o mais rápido possível. Pois ainda vamos enfrentar o pós-pandemia, que não temos a certeza de como será.

“Na vida pós-Covid-19, teremos de repensar os paradigmas e valores que adotamos na vida profissional e pessoal.”

COLUNISTA SOCIAL
Roberta Busato
E lá se vai mais um mês de quarentena. Vidas mudadas, adaptação, resiliência e se reinventar são as palavras do momento, junto com doação, persistência, foco e fé. Um momento em que todos tivemos de parar, respirar e pensar não só em nós mesmos, mas no próximo também. A dor do outro passou a ser a nossa dor e estender a mão é uma necessidade que acalma o coração.

Os dias vão passando, em mais campanhas vamos nos envolvendo e parece que vemos uma luz no fim do túnel. A vida vai voltando – ou entrando no novo normal – a passos lentos, mas está seguindo seu curso. O que alivia e tranquiliza é saber que estamos fazendo a nossa parte da melhor forma possível. Descobrimos um tempo valioso que, como já contei aqui, às vezes nem sabemos o que fazer com ele. Mas estamos reaprendendo e, principalmente, dando valor a coisas simples da vida.

Minha dica? Vamos ajudar cada vez mais e, por mais difícil que esteja, não vamos desistir, pois logo, logo tudo vai fazer sentido e entrar no eixo. Desejo muita coragem e amor em tudo o que fizerem. Com carinho, Ro Busato.

“A dor do outro passou a ser a nossa dor e estender a mão é uma necessidade que acalma o coração.”

COLUNISTA SOCIAL 
Marcos Slaviero
Acredito que esta quarentena trouxe aprendizado para muitas. É muito complicado “romantizar” um momento
como esse, com milhares de pessoas morrendo, milhões de outras perdendo seus empregos, mas acredito que o mundo vinha em um ritmo tão acelerado que 2020 mostrou que é necessário, às vezes, parar! Parar e dar valor
às pequenas coisas da vida, como estar em contato com a natureza, ligar mais para seus pais, dedicar-se um pouco mais a você mesmo ou, simplesmente, parar um pouco para respirar em meio a esse ritmo frenético que a gente vivia!

2020 trouxe muita tristeza. Porém, lá no fundo, acho que há uma grande mensagem. E eu realmente espero que as pessoas evoluam, aprendam e que o mundo seja um lugar melhor depois que tudo isso passar!

“[…] espero que as pessoas evoluam, aprendam e que o mundo seja um lugar melhor depois que tudo isso passar!”

*Coluna especial da trilogia publicada originalmente na edição #237 da revista TOPVIEW.

In this article

Join the Conversation