No debate público, o Brasil é um país infantil

No debate público, o Brasil é um país infantil

"A intelligentsia do país duela sobre o conteúdo das publicações do presidente da república nas redes sociais. É surreal."

0
Compartilhe

O debate público no Brasil carece de maturidade. Em quase 100 dias de gestão federal, o tema central da discussão polí­tica nacional não é a urgência em se aprovar as reformas estruturais, tampouco o teor do “Pacote Anticrimes” do ministro Sergio Moro. A intelligentsia do país – perceba a gravidade da situação – duela sobre o conteúdo das publicações do presidente da república nas redes sociais. É surreal.

Afora o absurdo de mergulharmos a sociedade em um cenário de mimimi insolúvel, soa óbvio que o direito fundamental à livre expressão do pensamento não se estreita com a assunção do eleito ao poder. Muito ao contrário. Portanto, o presidente Jair Bolsonaro pode (e deve) publicar o que quiser e, se extrapolar, terá de pagar o ônus político de um eventual descontentamento social. Mas é só. Nada de extraordinário. Jamais crime de responsabilidade.

Ademais, não percamos o norte da bússola democrática: em ambiente de liberdade, sempre haverá bagunça. A ideia de se criar um freio de arrumação é um erro em si mesmo. O país precisa, isso sim, parar de se contorcer em uma peleja infantil própria de um atletiba ideológico. Os problemas do Estado brasileiro não suportam mais esperar. O Brasil necessita é de mais governo, de mais oposição até, e não dessa choradeira em nível de pré-escola.

Eleição, parte 1

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, e o governador do Paraná, Ratinho Junior vivem bom relacionamento.


A classe política não desliga e os partidos já fervem quando o assunto é a eleição municipal do ano que vem. Em Curitiba, particularmente, as siglas maiores querem fazer constar que terão candidato próprio no pleito de outubro de 2020. O “balão de ensaio” da hora dá conta de que já são 13 os postulantes ao cargo.

Eleição, parte 2

Ney Leprevost, cotado como canditado à eleição municipal de 2020.

 

Além dos quatro candidatos óbvios – Rafael Greca (PMN), Ney Leprevost (PSD), Fernando Francischini (PSL) e João Arruda (MDB), são apontados como concorrentes Goura (PDT), Dr. Rosinha (PT), Leandre (PV), Luizão Goulart (PRB), Maria Victoria (PP), Jorge Bernardi (Rede), Christiane Yared (PR) e Galo (Podemos). Evidentemente que a maioria nem levantarၠvoo.

Mal-estar

Guto Silva, Chefe da Casa Civil do governo do estado, ao lado do governador. Poder demais?


Deputados estaduais mais experientes já não escondem o descontentamento com os rumos do governo Ratinho Junior. A queixa é política: Guto Silva, Chefe da Casa Civil, está forte e poderoso demais. Para o bom entendedor, pingo é letra.

Neste Artigo

Converse com a Gente