Underwear for real: 10 marcas que respeitam a pluralidade feminina

Underwear for real: 10 marcas de lingerie que respeitam a pluralidade feminina

Pautadas, sobretudo, pelo conforto, elas desconstroem arquétipos estéticos e de gênero e nos convidam a rever nossos padrões

1238 0
Compartilhe

Neon Moon

“Badass underwear for badass women”: assim se define a marca londrina (foto acima), que nasceu da insatisfação com a indústria de lingerie. Sutiãs e calcinhas prometem se adaptar a qualquer corpo – não o contrário. Peças a partir de £ 18 (cerca de R$ 88). neonmoon.co

Dilady

“Beleza que faz a diferença” é o nome da campanha lançada em fevereiro pela marca cearense, uma das primeiras do Brasil a se voltar para a aceitação do corpo sem complexos. No lugar de modelos, mulheres que sofrem diariamente preconceitos e assédios: mastectomizadas, com vitiligo e Síndrome de Down, por exemplo. Sutiãs, calcinhas, bodies e modeladores são feitos com LYCRA®. Peças a partir de R$ 35,50. dilady.com.br

Jonesy

A marca nova iorquina acredita que a roupa íntima deve refletir quem você é – e não ser apenas sexy ou bonitinha. Bralettes, cuecas femininas e conjuntos “supermacios e fabricados honestamente” são produzidos em algodão – um material altamente respirável –, modal e um pouco de elastano. Peças a partir de US$ 25 (cerca de R$ 94). jonesy-nyc.com

The Nude Label

Também seguindo o conceito de “underwear ético”, a marca espanhola, de Valência, produz roupa íntima confortável com materiais macios, como algodão orgânico. Nos sutiãs, tanto a faixa de busto quanto as alças são ajustáveis. Peças a partir de 15 € (cerca de R$ 64). thenudelabel.com

Lonely Label

“Para as mulheres que usam lingerie como uma carta de amor para si mesmas”, declara Helene Morris, a designer por trás da inovadora marca neozelandesa. Além de calcinhas, sutiãs e bodies – alguns com fibra de bambu (como o da foto) –, eles produzem biquínis, maiôs e roupas para o dia a dia. Lingeries a partir de US$ 55 (cerca de R$ 206). lonelylabel.com

NC

Com malha de seda orgânica e tingimentos naturais, a paranaense Nayara Costa, de Londrina, produz lingeries de luxo e diárias em seu atelier experimental, criado em 2017. “Nosso público são mulheres que têm relação estreita com arte e design”, conta. Calcinhas, tops, calças e blusas custam entre R$ 98 e R$ 988. Encontre na loja Reptilia (Al. Prudente de Moraes, 1.282, Centro, Curitiba)

Ovelha Negra

Com cinco anos, a label curitibana sempre se destacou por pregar o empoderamento feminino com peças e linguagens que levantam questionamentos diários sobre ser mulher. O Conjunto Phantom (foto, R$ 289,90), por exemplo, tem tecido resistente e modelador que garante uma supersustentação sem fazer uso de bojo ou de aro. ovelhanegra.co

Undertop

A marca paulista de Juliana Mansur desfilou sua coleção de inverno na última NYFW com a presença da modelo americana body positive Krystyna. Entre as peças ícones que a consagraram, bodies, tops e hot pants em tecidos metálicos e bandagem. O body da foto, com bumbum retrô, custa R$ 584. undertop.com.br

2Rios

Mais conhecida, a marca catarinense hoje exporta para mais de 20 países seus conjuntos macios que atendem a todos os momentos da mulher, da adolescência à maternidade, com conforto natural. O tecido das calcinhas básicas contém, ainda, proteção permanente que impede a proliferação de fungos e bactérias. Produtos da foto entre R$ 34,90 e R$ 134,90. 2rios.com

Chris Gontijo

Mineira, a marca trabalha com um underwear handmade para ser usado dentro e fora de casa. Entre os materiais utilizados, estão algodão orgânico (com direito a certificado de cultivo de algodão sustentável) com linho, com viscose ou puro. Para o acabamento clássico e atemporal, rendas em recortes, LYCRA® e tule. Peças da foto entre R$ 86 R$ 146. chrisgontijo.com.br

Matéria originalmente publicada na edição 221 da revista TOPVIEW.

In this article


Join the Conversation