Rihanna Fenty: a musa da moda e da beleza! - TOPVIEW

OMG, RIRI! Os 1001 talentos de Rihanna, a nova musa das maquiagens e lingeries!

Quebrando barreiras, a empresária é a nova referência em diversidade

Compartilhe
Rihanna Fenty

Rihanna, ou Robyn Rihanna Fenty: não é preciso muita introdução para a cantora, atriz, modelo, designer de moda, compositora e empresária, nascida em Barbados. Riri ficou famosa por suas músicas e se tornou um fenômeno mundial, conhecida por todos.

Em 2017, a cantora lançou sua marca de cosméticos, chamada Fenty Beauty, que tem o propósito de incluir todos os tipos de pessoas. No lançamento, 40 tons de base foram disponibilizados e logo aumentaram o número para 50. Começou aí uma mudança gigantesca: uma marca em prol da diversidade. Em qualquer tipo de pele, o tom de maquiagem é, sem dúvidas, alcançado.

“(…) o que mais me impressiona é como ela quebra todos os tipos de barreiras, sempre surpreendendo.”

Ok, tudo isso não é novidade. Mas, em 2019, Rihanna Fenty lançou sua própria marca de roupas, também chamada Fenty. Essa maison não é só mais uma grife de luxo, mas, também, faz parte do grupo LVMH, gigante da moda, dono da Louis Vuitton, da Fendi, da Dior, da Givenchy e de diversas outras labels. Dessa forma, Riri tornou-se, em 2019, a primeira mulher a criar uma marca própria na LVMH, além de ser a primeira mulher negra a comandar uma maison pertencente ao grupo.

E, se tudo isso ainda não for suficiente para você se impressionar com a musa, em junho deste ano, a Forbes anunciou que ela é a cantora mais rica do mundo (!), com uma fortuna estimada em US$ 600 milhões, desbancando outras cantoras consagradas, como Madonna, Céline Dion e Beyoncé. Riri é do tipo que causa aonde vai e é sempre ela mesma. Confesso que amo os seus produtos de make e as músicas, mas o que mais me impressiona é como ela quebra todos os tipos de barreiras, sempre surpreendendo. Ela sempre se supera, além de ser uma pessoa que realmente luta pela diversidade e faz algo pela causa. Acho ela incrível!

*Matéria originalmente publicada na edição 230 da revista TOPVIEW.

In this article

Join the Conversation