ESTILO

Últimos dias para ver no MON a exposição do britânico Tony Cragg

Além de “Tony Cragg – Espécies Raras”, várias exposições estão em cartaz atualmente no MON

A exposição “Espécies Raras”, de Tony Cragg, um dos mais destacados escultores britânicos contemporâneos, poderá ser vista no Museu Oscar Niemeyer (MON) até domingo, dia 21/2. São aproximadamente cem obras, entre desenhos e esculturas, a maioria em grandes dimensões, que fazem parte da coleção do próprio artista.

Os materiais utilizados vão do vidro ao bronze, passando pela madeira e pela fibra de vidro, entre outros. Três obras estão instaladas na área externa do Museu: duas junto ao Espelho d’Água, sob o edifício do Olho, e uma no Vão-livre.

Ambientada no Olho, a mostra integra-se perfeitamente ao espaço e ganha um caráter único. Tony Cragg provoca o espectador com a ambiguidade de sua obra. Formas orgânicas e geométricas, diferentes escalas, profusão de materiais trabalhados pelo artista, capturam e pedem um olhar atento e imaginativo.

A exposição é dedicada à produção realizada a partir dos anos 2000, mas mostra também peças emblemáticas feitas nas décadas de 1980 e 1990. São esculturas e desenhos que permitem ao público uma imersão no processo criativo de Tony Cragg.

Entre os destaques da mostra estão duas obras apresentadas pela primeira vez no Brasil: “Sinbad” (2000) e “Minster” (1988), feita de anéis e engrenagens de aço. Outros pontos altos da exposição são: “Eroded Landscape” (1999), uma escultura construída por várias camadas de objetos de vidro como: copos, vasos, lustres e garrafas; “Secretions” (1995), feita a partir de dados colados.

Tony Cragg nasceu em Liverpool, no Reino Unido, em 1949, e desde 1977 vive e trabalha em Wuppertal, Alemanha. Frequentou a Wimbledon School of Art, em Londres, em 1973, onde recebeu seu título de bacharel. Em 1977, concluiu mestrado na Royal College of Art.

Deixe um comentário