Singleton lança a campanha "Sorry Not Sorry" e rejuvenesce categoria de whisky no Brasil - TOPVIEW

Singleton lança a campanha “Sorry Not Sorry” e rejuvenesce categoria de whisky no Brasil

Posicionamento conta de maneira moderna e divertida que não precisa ser expert nem ter um manual de regras para apreciar a bebida

Compartilhe

Singleton, marca de whisky escocês pertence ao portfólio da Diageo, líder mundial na produção de bebidas alcoólicas premium, apresenta no Brasil a campanha “Sorry Not Sorry”. A marca aposta em uma comunicação descomplicada sobre o consumo padrão da categoria de whisky. A campanha conta de maneira moderna e divertida – muito diferente da tradicional comunicação de outros Single Malts – que não precisa ser expert nem ter um manual de regras para apreciar whisky.

Para acompanhar o posicionamento “Sorry Not Sorry”, a marca anuncia uma nova identidade visual de sua tradicional garrafa, apostando em um design criativo e moderno, com tons de laranja e azul, color code da marca, para trazer modernidade, jovialidade e leveza.

Envelhecido por 12 anos em barris de carvalhos europeus e americanos, o whisky traz em sua composição um sabor frutado, perfeitamente equilibrado e suave, com notas de maçãs assadas, nozes tostadas e açúcar mascavo. Além disso, não utiliza turfa em seu processo de maltagem para obter um sabor muito mais leve. A bebida harmoniza bem com tapas e queijos fortes (gorgonzola, emmental, gruyère, entre outros).

“Queremos mostrar para os consumidores que não existe um jeito certo de apreciar whisky. Singleton vem para quebrar uma barreira na categoria de Single Malts, que hoje é vista como complexa. Ele vem mostrar que você pode experimentar puro, em drinks ou com gelo”, pontua Guilherme Martins, Diretor de Negócios de Reserve, portfólio de luxo da Diageo.

A estratégia de drink de Singleton consiste em “Plus Two“, ou seja, a bebida e mais dois ingredientes. Todos na mesma proporção de 50ml, não sendo necessário o uso de coqueteleira para facilitar. “Temos três sugestões de drinks, mas queremos reforçar que o consumidor é livre para criar sua combinação. Puro com um cubo de gelo ou uma mistura aleatória que você ama, desde um chá, suco, café somado a uma opção gaseificada – não existe regra. Singleton quebra barreiras e é para todos os gostos”, completa.

O rótulo já recebeu mais de 95 prêmios de acordo com premiações globais entre 2008 e 2020, incluindo Ouro no Wine and Spirit Competition, no Scotch Whisky Masters, em 2015 e, mais recentemente, o prêmio de Ouro no San Francisco Spirits Competition, em 2017. Sua qualidade é constantemente reconhecida mundo afora com grande presença na Europa, Estados Unidos e Ásia.

No Brasil, a oportunidade de mercado surgiu por conta do paladar brasileiro. “A Diageo tem um dos portfólios mais completos de Single Malts, líquidos com os mais variados perfis e rótulos com as mais variadas histórias. Escolhemos Singleton por ter um perfil de líquido simples de beber e que aproxima de novos consumidores dessa categoria. Além de ser uma máquina que conta com uma comunicação muito irreverente e quebra com o protocolo e as regras dentro desse universo. Por enquanto o aumento de vendas tem nos mostrado que escolhemos a marca certa para investir no país“, conta o executivo.

A marca pretende atingir homens e mulheres, a partir de 28 anos, alimentados por um instinto curioso, abertos a novas coisas, lugares e ideias, apostando em pessoas que querem ser surpreendidos, prezam por qualidade, estão cansados do tradicional e querem algo novo. O líquido é ideal para os momentos de diversão sem roteiro, com mesas longas cheias de amigos e comida. Singleton pretende quebrar a imagem de que whisky é velho, que só se toma sozinho, à noite, em dose, sendo considerado uma categoria pesada.

As garrafas são embaladas em caixas elegantes e modernas, com iconografia tradicional que destaca a herança e tradição da marca. O preço sugerido é de R$ 169 e o produto está disponível para venda aqui.

Aprecie com Moderação. Não compartilhe com menores de 18 anos.

In this article

Join the Conversation