ESTILO

Pinacoteca de São Paulo aborda em exposição coleções reunidas por artistas

O Colecionador: arte contemporânea e colecionismo no acervo da Pinacoteca pode ser visitada na Pina Estação

A Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, apresenta a exposição O Colecionador: arte contemporânea e colecionismo no acervo da PinacotecaCom curadoria do núcleo de pesquisa e curadoria da instituição e José Augusto Ribeiro na coordenação da montagem, a mostra reúne obras que se constituem de coleções de itens diversos, ressaltando as características e parâmetros inerentes a esse processo, como a reunião, seleção e ressignificação dos materiais. Os trabalhos expostos são de Bruno Faria, Jac Leiner, Mabe Bethônico, Nelson Leirner, Raphael Escobar e Thiago Honório. Todos pertencem ao acervo da Pina.

A curadoria engloba obras que trazem coleções de uma variedade de materiais, mas que apresentam uma característica em comum: todos os itens pertencem a vida mundana, ao cotidiano, ao “mundo dos produtos”.

Discos de vinil são o material em destaque da obra Introdução à História da Arte Brasileira 1960-1990, do artista Bruno Faria. A instalação possui 168 discos, cujas capas foram desenhadas por artistas visuais como Hélio Oiticica, Regina Vater, Guto Lacaz, Alex Flemming. No trabalho, Faria aponta para o trânsito entre artes visuais e música durante a “era do ouro” do disco, entre 1960 e final dos anos 1990. Durante o período da exposição, a equipe do museu colocará, por dia, um disco diferente para tocar.

Em Cachimbeiro (2016)Raphael Escobar reúne uma coleção de cachimbos coletados na região do centro de São Paulo conhecida como “Cracolândia O artista participa de diversas iniciativas na “Cracolândia”, como a coordenação do A Craco Resiste, movimento contra a violência policial na região, e o bloco de carnaval Blocolândia.

Já Variação (1994), de Nelson Leiner, se trata de uma colagem de centenas de figurinhas adesivas dos mais variados personagens, a maior parte delas famosa mundialmente, como Mickey Mouse, Mônica, Hello Kitty, Goku, entre outros. Leiner sobrepõe as figuras, aglomera umas as outras, deixando a configuração sobrecarregada. Na peça, o artista reverbera a questão da saturação de imagens, textos e informações que a modernidade e as tecnologias proporcionam.

A artista Jac Leirner costuma utilizar objetos produzidos em larga escala em suas obras. Em Corpus Delictis (1993) não é diferente. O trabalho é realizado a partir de itens coletados por ela durante viagens de avião nos anos 1990. Três peças dessa série estarão presentes na mostra. Na Pina, o público terá acesso a ressignificação proposta por Leirner de guardanapos, sacos de vômito e cobertores oferecidos pelas empresas de aviação.

Caixas, estojos e mostruários são materiais coletados para Prêt-a-porter (2013)de Thiago Honório, que os exibe vazios e abertos. É comum que esses itens ganhem importância e relevância por aquilo que carregam, no entanto o artista se utiliza da ideia contrária: o que acontece quando estão vazias e se tornam elas mesmas objetos da exposição? Para esta produção, Honório reuniu um conjunto heterogêneo de elementos, adquiridos nos mais diversos tipos de comércio.

Por fim, o trabalho O Colecionador, da artista Mabe Bethônico, tem um recorte interessante por agregar outros “colecionadores”. Isso porque a obra ainda “sem fim” de Bethônico atribui a responsabilidade da continuação a outros interessados, como por exemplo curadores e bibliotecários. O objetivo é que cada novo autor selecione imagens de jornais e revistas e classifique conforme um esquema pré-determinado. Organizado em caixas, pastas e subpastas, a reunião deste material vem sendo complementada desde 1996. O objetivo é uma multiplicidade de narrativas e pontos de vista a partir da eleição de novos materiais e até a reconfiguração dos antigos, além da problematização dos sistemas do museu para aquisição, catalogação, conservação e exibição.

A exposição O Colecionador: arte contemporânea e colecionismo no acervo da Pinacoteca segue até 15 de agosto de 2022. A entrada na Pinacoteca Estação é gratuita e os ingressos podem ser reservados pelo site do museu.


Serviço:

O Colecionador: arte contemporânea e colecionismo no acervo da Pinacoteca

Período: 26.02.2022 a 15.08.2022

Curadoria: núcleo de pesquisa e curadoria
Coordenação de montagem: José Augusto Ribeiro

Deixe um comentário