6 mulheres incríveis que transformam destinos (e o mundo!)

Conheça 6 mulheres incríveis que transformam destinos (e o mundo!)

Mulheres admiráveis que, com sua trajetória, trabalho e coragem fizeram – e ainda fazem – com que alguns destinos se tornem fascinantes

Compartilhe

Cleopatra 7ª e o Egito

No ano 46 a.C., a rainha de 23 anos entrou em Roma, recepcionada pelo ditador Júlio César, com um cortejo com banda militar, animais exóticos e uma estátua de ouro. Era a mulher mais poderosa que já havia existido. Durante seus anos de governo, usou toda a sua coragem para salvar seu país do controle de Roma, mas acabou sendo derrotada. Mais de 2 mil anos depois da sua morte, ela continua sendo influente e, ao navegar pelo Rio Nilo, é fascinante saber mais da sua história.

Catarina, a Grande e a Rússia

Nascida em 1.729 na antiga Prússia, vinha de uma família de alguma nobreza. Na sua trajetória, Catarina, a Grande, governou por mais de 30 anos e, nesse período, ampliou o território russo, saiu vitoriosa em batalhas, defendeu um Estado laico, criou novas cidades, estimulou as artes e a cultura – hoje, sua coleção de obras de arte ocupa grande parte do museu Hermitage. Impossível visitar a Rússia e sair ileso das benfeitorias dessa grande mulher.

Jane Austen e o Interior da Inglaterra

Uma das maiores romancistas da Inglaterra, Jane Austen buscava retratar a sociedade provinciana no interior do país do século 19. Ao observar o cotidiano da vida, com uma aguda percepção psicológica e uma ironia sutil, suas reflexões sobre relacionamento e a sociedade fazem todo sentido até hoje, mais de 200 anos depois. No interior da Inglaterra, é possível visitar sua casa, os lugares que frequentava, os castelos e inspirações para as suas obras.

Frida Kahlo e o México

Foi das dificuldades que a vida lhe impôs, como a poliomielite na infância e o acidente de ônibus na adolescência, que Frida tirou as inspirações para as suas obras. Apaixonada pela cultura e pela tradição do seu país, incorporou com autenticidade símbolos mexicanos e indígenas em sua arte, trajes e adereços. Frida ultrapassou fronteiras, foi a primeira artista mexicana a expor no Louvre, tornou-se um ícone feminino na década de 1950 e, hoje, além de ver suas obras nos quatro cantos do mundo, é possível conhecer e se surpreender com a sua história na Cidade do México.

Aung San Suu Kyi e o Myanmar

Suu Kyi nasceu em 1945 na antiga Birmânia, estudou fora do país, mas voltou quando sua terra natal rumava para o movimento pela volta da democracia que ela acabou liderando, enquanto havia uma ditadura militar. Em 1990, candidatou-se e ganhou as eleições, mas os militares não reconheceram sua vitória e a prenderam. Passou quase 15 anos em prisão domiciliar e sua luta rendeu-lhe um Prêmio Nobel da Paz. É visível a admiração do povo birmanês por essa mulher.

Glória Maria e o mundo para os brasileiros

Nascida no Rio de Janeiro, filha de um alfaiate e uma dona de casa, Glória Maria estudou em colégios públicos, onde sempre se dedicou à sua formação cultural. Começou a carreira de jornalista em 1971 e foi a primeira apresentadora negra da televisão brasileira. Com sua lista de mais de 100 países visitados e 15 passaportes completos, ela tem espírito explorador: apresenta o mundo aos brasileiros, desbravando os mais variados povos, culturas e lugares do Brasil e do mundo.

Matéria originalmente publicada na edição 221 da revista TOPVIEW.

In this article

Join the Conversation