ESTILO

Mês do Meio Ambiente: 10 atitudes para um turismo responsável

É importante que o viajante entenda que o local que está conhecendo faz parte de um ecossistema

Em junho é comemorado o mês do Meio Ambiente e, para aqueles que gostam de viajar, é importante saber de que forma o turista pode contribuir com o local onde está de passagem. “O turismo vai muito além de apenas lazer. É importante que o viajante entenda que o local que está conhecendo faz parte de um ecossistema, existem pessoas que vivem ali – e muitas delas trabalham em prol do turismo. Às vezes, não nos damos conta, mas uma pequena atitude pode ser prejudicial a toda uma comunidade. Por isso a discussão que gira em torno do turismo responsável é de extrema importância”, afirma o gerente geral da BWT Operadora, Gabriel Cordeiro.

Geração de empregos e diversificação da economia local são alguns pontos cruciais, além de não jogar lixo no chão e colaborar para não prejudicar o meio ambiente e a diversidade. “A intensificação da autoestima da comunidade que está recebendo os turistas por meio da troca que ocorre entre eles e o sentimento de pertencimento daquela comunidade no espaço em que ela vive a partir do entendimento da importância do resgate e da preservação das tradições, valores e dos recursos naturais e culturais, são fundamentais também”, é o que comenta a turismóloga e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Gestão Ambiental da Universidade Positivo, Eva Blaszczyk Gaweleta.

Seja como for, o “turismo sustentável”, “turismo verde”, “turismo alternativo” ou “turismo responsável”, podem ser aplicados por todos com algumas medidas simples e práticas.

  1. Respeito com as pessoas, com o patrimônio natural, cultural, social, histórico e arquitetônico daquela região.
  2. Seleção de fornecedores éticos. É importante pesquisar sobre o local e passeios, antes de montar o roteiro. É um local ambientalmente amigável? As empresas de turismo que você vai se deparar ao longo da viagem contam com práticas sustentáveis e em prol do meio ambiente? Essas são algumas perguntas que valem ser levantadas.
  3. Não jogar lixo no chão, rios, lagos, areias, dentre outros. Ou seja, não deixar nada no caminho. Além disso, buscar produzir menos lixo possível na viagem.
  4. Perceber as limitações daquele espaço e compreender o que pode ser feito para não agredir nem transformar aquele local. É preciso entender e respeitar as diferenças culturais.
  5. Respeitar a vida selvagem. Pular sobre golfinhos e andar em cima de elefantes são alguns dos exemplos do que não deve ser feito. No entanto, se houver o interesse em conhecer locais de preservação da vida animal que sejam comprometidos e sérios de verdade, é importante pesquisar e se aprofundar no assunto.
  6. Não exagerar no uso de água, independentemente da acomodação escolhida. Não deixar torneiras abertas, evitar banhos longos, e cuidar com o uso como se estivesse em casa.
  7. Hospedar-se o mais próximo possível do local que busca conhecer. Dessa forma, poderá realizar boa parte dos trajetos a pé, e reduzir a emissão de poluentes.
  8. Comprar do local, valorizar as comidas típicas em restaurantes familiares. Assim, estará contribuindo com a geração de empregos e aumentando a renda dos moradores.
  9. Fazer parte do movimento “slow travel”. Viajar de forma mais lenta, imersiva e consciente.

Deixe um comentário