ESTILO

Inverno aconchegante: 4 tipos de lareira para você aquecer e decorar sua casa

A arquiteta e designer de interiores Caroline Sautchuk elenca as lareiras mais usadas nos projetos atuais

A lareira está entre os sonhos de consumo de muitos brasileiros. Afinal, além de aquecer os ambientes em regiões mais frias, elas dão um toque charmoso à decoração e trazem a sensação de aconchego nos espaços – essencial para a época de inverno.

Além disso, a lareira tem um significado especial para projetos residenciais, pois simboliza a união nos espaços de convívio.

“Era um conceito muito usado por Frank Lloyd Wright, arquiteto norte americano que foi pioneiro na aplicação de lareiras nas casas. De acordo com ele, era esse componente que reunia os moradores do lar, que promovia a socialização entre os parentes. Por conta disso, ficava sempre localizado no coração da residência, como nas salas de estar. É algo que se mantém até hoje”, afirma a arquiteta e designer de interiores Caroline Sautchuk.

Com diferentes tamanhos e sistemas de combustão, o mercado oferece diversos modelos, inclusive com opções portáteis. A especialista elenca as quatro lareiras mais usadas nos projetos atuais. Confira!

Lareira a lenha

Quem nunca se imaginou sentado em frente à lareira sentindo o calor do fogo e ouvindo o estalar da lenha queimando? As tradicionais são charmosas e costumam ocupar lugar de destaque nas salas de estar, sendo ponto focal do ambiente.

“Geralmente são feitas em alvenaria, concreto ou metal, materiais resistentes ao calor. Além do modelo mais tradicional, atualmente existem opções suspensas. O item fica fora do chão e preso somente pela chaminé, dando um ar mais moderno ao imóvel”, explica.

Sua concepção precisa ser pensada ainda durante a obra ou reforma da casa, já que o projeto precisa ser espaçoso. “A estrutura demanda mão de obra especializada e a instalação de chaminé ou duto para a exaustão da fumaça, por conta da queima de lenha”, aponta a profissional.

Ao escolher esse tipo de lareira, o arquiteto também precisa estar atento ao piso do ambiente. “Como a queima da madeira gera fagulhas, o contato dessas partículas com carpete ou tecido pode trazer risco de incêndio. Por isso, o ideal é usar piso de porcelanato ou cerâmica.”

Lareira a gás

Diferente da lareira clássica, a versão a gás não necessita de lenha para funcionar – logo, não expele fumaça, fuligem e odores. Em função disso, dispensa o uso de dutos e chaminés.

“Há dois tipos mais conhecidos para esse tipo de lareira. Um deles é o linear, que vem com pedras vulcânicas colocadas sobre os queimadores. Essas pedras retêm o calor sobre o equipamento, mantendo a temperatura do ambiente por mais tempo. O outro modelo usa cerâmica refratária, que apresenta um ótimo rendimento térmico”, resume Caroline.

Fácil de acender, a lareira a gás pode ser ligada a partir de um simples botão ou controle remoto. “Devido a sua funcionalidade, ela pode ser instalada em várias partes da residência, desde que haja um ponto de gás encanado ou de botijão.”

Lareira elétrica

O tipo de lareira alimentada por eletricidade é praticamente um aquecedor. Contudo, a diferença entre os dois equipamentos está na estética: a lareira costuma reproduzir uma imagem em 3D que mostra a lenha e as chamas do fogo de forma virtual. “Ela é uma das mais práticas, visto que ela funciona com uma simples conexão à tomada”, cita. Outro benefício está no fato dela não fazer sujeira e sua possibilidade de funcionar bem em basicamente todos os cômodos com ventilação adequada.

“Podem ser encaixadas em um móvel de madeira ou de metal, em um nicho de alvenaria, gesso ou em qualquer outro projeto, inclusive como se fosse um quadro na parede. Suas aplicações decorativas são diversas. Por outro lado, uma de suas desvantagens é o alto consumo de energia que exige”, alerta.

Lareira a álcool

Também conhecidas como ecológicas, são alternativas viáveis para apartamentos ou casas já construídas, pois não demandam obras para sua instalação.

“São lareiras abastecidas com álcool líquido, mas o fogo gerado, por ser mais leve, não tem cheiro e também não produz fumaça. Seus queimadores em inox podem ser encaixados sobre diversas superfícies, combinando com a decoração que a família gostar, seja madeira, alvenaria, pedra natural ou porcelanato”, afirma.

O modelo ainda conta com equipamentos portáteis, que transitam das salas às varandas. Apesar de ser econômica e menos poluente, a lareira ecológica apresenta um abastecimento mais trabalhoso, segundo a arquiteta.

“Não há um abastecimento contínuo como a lareira a gás, por exemplo. As ecológicas possuem capacidade para aproximadamente seis litros de álcool; quando ele acaba, o reservatório precisa ser reabastecido”, acrescenta.

Como escolher a lareira ideal?

Para escolher a lareira perfeita para a sua casa, é fundamental conhecer as vantagens e desvantagens de cada tipo. Apesar das lareiras a lenha serem as mais famosas e procuradas, já que o crepitar do fogo é agradável de se ver e ouvir, ela não é tão sustentável para o meio ambiente.

“A queima de lenha produz bastante dióxido de carbono. Além disso, requer um trabalho pesado de compra, armazenamento e limpeza de lenha e cinzas que resultam de seu uso”, adverte a arquiteta.

No caso das lareiras elétricas, o consumo de energia é um dos pontos negativos. No entanto, independente do modelo escolhido, o projeto deve levar em conta todas as medidas de segurança.

“Faça inspeções e manutenções regularmente, confira sempre o prazo de garantia e de validade de cada produto. Assim, sua casa estará sempre quentinha, e, acima de tudo, protegida”, completa.

Deixe um comentário