Da floresta à mesa: como a agrofloresta pode criar uma produção biodiversa voltada para a alta gastronomia - TOPVIEW

Da floresta à mesa: como a agrofloresta pode criar uma produção biodiversa voltada para a alta gastronomia

PRETATERRA desenvolveu um design agroflorestal para produzir alimentos regenerativos para produtos de sabor diferenciado

Compartilhe

Sediada em Avaré (SP) está a “fazenda gastronômica” La Ferme Moderne, especializada em produtos artesanais saudáveis, de alto valor agregado e com baixíssimo processamento industrial. Trata-se de uma visão que converge com as possibilidades da agrofloresta, já que pode ir além dos produtos básicos da agricultura e oferecer insumos para a alta gastronomia. Foi com esse foco que a PRETATERRA, iniciativa que se dedica à disseminação de sistemas agroflorestais regenerativos, aportou na propriedade.

Antes dedicada à produção de cerâmica, a fazenda é hoje reconhecida por sua produção de frutíferas raras e de alto valor no mercado. Com essa base já estabelecida, a La Ferme Moderne convidou os engenheiros florestais Paula Costa e Valter Ziantoni, fundadores da PRETATERRA, para colocar em prática sua expertise agroflorestal ao modelo de negócios.

“Idealizamos um design biodiverso e produtivo que conservasse a essência da La Ferme Moderne e agregasse todos os benefícios socioambientais e econômicos de uma agrofloresta. Combinamos a vocação empreendedora à realidade ecológica, biológica e edafoclimática (relativa ao clima e ao solo) do Oeste Paulista para chegar a um projeto de abordagem holística que contemplasse os principais ativos do ponto de vista ecológico, social e econômico”, explica Paula.

Segundo o co-fundador da La Ferme Moderne, Mauricio Sales, “a PRETATERRA conseguiu entender o que gostaríamos de criar e, a partir disso, fomos formando listas e mais listas de espécies que se encaixassem no nosso projeto e que tivessem o perfil da nossa empresa”.

O sistema foi pensado para a elaboração de um mosaico produtivo, com a maior diversidade possível dentro de uma lógica viável e economicamente sustentável. “O foco foi direcionado a produtos finos, tais como cesta de orgânicos e brindes, itens como geleias, licores, infusões de frutas nativas, especiarias, antepastos e mel. Primou-se igualmente por madeiras de alto valor, castanhas (espécies de fluxo, as que produzem ao longo de todo o tempo de vida do sistema), café, frutíferas nativas, com alto valor nutricional e potencial uso gastronômico, ou seja raras e de possível demanda iminente”, detalha Ziantoni.

Dentre os destaques na elaboração do design, estão o processo de análise e seleção de espécies mais adaptadas, com priorização de plantas da Mata Atlântica e do Cerrado. A partir daí foi realizado um estudo com rigoroso crivo técnico para definir espécies como pitanga, araçá, limão cravo e uvaia, e, em seguida, segmentados em nichos funcionais. “Espécies como castanha de cotia, ariá e alfarroba, que listamos no inicio, foram retiradas da lista geral por não existir muito conhecimento sobre seu manejo e poder comprometer a viabilidade do negócio, fato que demonstra a dedicação da PRETATERRA em modelar uma produção comercialmente viável”, salienta Mauricio.

Esse design agroflorestal de base foi desenvolvido para ser reproduzido e expandido em outras áreas da fazenda, e, como é elástico, cada implantação pode ter uma composição de espécies e/ou um carro-chefe diferente de acordo com a prioridade e o contexto. Também foi idealizada uma variação do sistema, um segundo design, com a inclusão de espaço ideal para as culturas agrícolas voltadas para a produção de antepastos e conservas, além de especiarias, aromáticas e condimentos.

O projeto PRETATERRA junto a La Ferme Moderne contém uma robusta modelagem financeira, feita com base em um prognóstico de produção. Ela integra as inserções de dados técnicos agrícolas e agroflorestais, associados à expectativa de produtividade dentro de premissas previamente discutidas, assim como dados micro e macroeconômicos.

“O ponto mais marcante do projeto era a preocupação com a sua viabilidade econômica, mas também a questão da biodiversidade. Por isso, focamos em criar um sistema bastante complexo, com variedade de espécies para que tivéssemos um fluxo de caixa interessante”, conta Mauricio Sales.

In this article

Join the Conversation