CULTURA CINEMA

Cinema para todos: Filmes com acessibilidade estão na programação da 11º edição do Olhar de Cinema

São sete longas-metragens que contam com LIBRAS, sendo seis com audiodescrição e legendas para surdos e ensurdecidos. Festival começa no próximo dia 1º de junho

Na próxima semana, de 1º a 9 de junho, ocorre a 11ª edição do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba, um dos mais importantes festivais da sétima arte do Brasil.  Entre alguns dos destaques da edição inédita, estão os longas-metragens com acessibilidade, prezando pela inclusão do público cinéfilo e pela sua democratização.

Para o Cofundador, Diretor Geral e Diretor Artístico do Olhar de Cinema, Antônio Gonçalves, a inclusão é um papel importante da arte.

“O cinema é uma arte direcionada para todos os tipos de público. Prezar pela acessibilidade no segmento, não só no aspecto audiovisual, mas também estrutural, é papel fundamental para que possamos seguir rumo a uma sociedade mais democrática e inclusiva. Neste ano, são sete filmes que contam com recursos de LIBRAS, sendo seis que ainda reúnem audiodescrição e legendas para surdos e ensurdecidos”, comenta.

As produções que contam com o recurso de LIBRAS, são:

– “Alan (Dir. Diego Lisboa e Daniel Lisboa | 2022| Brasil | 92’) – A produção é um registro sobre Alan do Rap, artista transgressor da cultura musical periférica de Salvador, em sua luta para sobreviver e criar. O filme acompanha mais de dez anos do relacionamento entre os diretores do filme e seu personagem, testemunhando a força inerente ao ato da geração de arquivos audiovisuais, mas também a complexa relação entre sujeitos e objetos na criação documental, na busca de sua justa distância. Uma história única e individual, que também é um retrato de um país e sua falta de possibilidades.

Além de LIBRAS, o filme ainda conta com audiodescrição e legenda para surdos e ensurdecidos.

Alan” será exibido no formato presencial no dia 4 de junho, às 13h30 e 15h12 no Cine Passeio.

– “Os Primeiros Soldados” – (Dir. Rodrigo de Oliveira | 2021| Brasil | 107’) – É 1983, Suzano (Johnny Massaro) volta para a casa de sua família sonhando com um futuro, mas já consciente que algo terrível está acontecendo em seu corpo. Enquanto isso, um grupo de jovens LGBTQIA+ comemoram a virada do ano ainda sem noção do que se aproxima. Apesar da enorme falta de informação sobre suas condições, Suzano se junta a Rose (Renata Carvalho) e Humberto (Vitor Camilo), igualmente doentes, em uma tentativa de sobrevivência e celebração de vida. Um retrato daqueles que viveram a primeira onda de AIDS no Brasil, em uma história de enfrentamento e acolhimento coletivo contada com muito vigor e cuidado pelo diretor Rodrigo de Oliveira.

O filme conta com audiodescrição e legenda para surdos e ensurdecidos.

“Os Primeiros Soldados” será exibido no formato presencial no dia 7 de junho, às 13h45 e 15h42, no Cine Passeio.

– “Todo Mundo Já Foi Pra Marte” (Dir. Telmo Carvalho |2023| Brasil | 75’) – Uma viagem, em formato de animação, por sensações e experiências pessoais com a pandemia. Realizado por 37 animadores do Ceará, o filme revela uma multiplicidade de procedimentos, olhares, estilos, mas também de aberturas para a intimidade de seus criadores. No isolamento, os artistas imaginam e sonham com outras possibilidades de mundo em um fluxo de cores, formas e desejos.

Além de LIBRAS, o filme ainda conta com audiodescrição e legenda para surdos e ensurdecidos.

“Todo Mundo Já Foi Pra Marte” será exibido no formato presencial no dia 8 de junho, às 19h15 e 20h40, na Cinemateca de Curitiba.

É importante saber que o conceito de acessibilidade é tão amplo e não se resume apenas à LIBRAS ou Audiodescrição. Por esse motivo, o Olhar de Cinema, ainda promove sessões online de outras produções que fazem a utilização do recurso.

– “Céu Aberto” (Dir. Elissa Pessoa | 2022 | Brasil | 95’) – Uma jovem mulher se aproxima da idade adulta vivendo no interior, na campanha gaúcha, em pleno século 21. Ao longo de cinco anos de gravações entre a diretora e a personagem, que também se auto-registra, acompanhamos esse tempo que passa e a maneira como ele altera sonhos, desejos e motivações. Em algum lugar entre espelho e janela, a câmera se torna companheira deste processo de amadurecimento e de transformação. 

É importante ressaltar que os recursos de LIBRAS, assim como audiodescrição e legenda para surdos e ensurdecidos estarão disponíveis apenas para a sessão online.

“Céu Aberto” será exibido no formato presencial no dia 7 de junho, às 20h25 e 22h30; e no dia 8 de junho, às 16h45 e 18h30, no Cine Passeio. A exibição online ocorre do dia 7 a 9 de junho, pelo site oficial do Olhar de Cinema. É necessário fazer a locação da sessão (R$6) para assistir ao filme.

– “Upa, Neguinho!” (Dir. Douglas Carvalho dos Santos | 2021 | Brasil | 53’) – O documentário encontra o bailarino Kunta Leonardo da Cruz entre sua origem na comunidade quilombola Paiol de Telha – a primeira a ter o seu território titulado no estado do Paraná – e a ida à Curitiba para se dedicar à dança. Misturando o registro da história e do cotidiano da comunidade à performance do artista, o diretor Douglas Carvalho dos Santos navega por diferentes paisagens e procedimentos formais para encontrar a força dos gestos e da tradição nos processos de criação do dançarino.

É importante ressaltar que os recursos de LIBRAS, assim como audiodescrição estarão disponíveis apenas para a sessão online.

“Upa, Neguinho” será exibido presencialmente no dia 2 de junho, às 20h45 e 22h18; e o dia 3 de junho, às 16h30 e 17h33, no Cine Passeio. A exibição online ocorre do dia 7 a 9 de junho, pelo site oficial do Olhar de Cinema. É necessário fazer a locação da sessão (R$6) para assistir ao filme.

– “Alice dos Anjos” (Dir. Daniel Leite Almeida | 2021 | Brasil | 76’) – No quintal da casa de sua avó, no sertão nordestino, Alice dos Anjos (Tiffanie Costa) encontra um apressado bode preto que usa terno e gravata. Tentando alcançá-lo, a menina cai em um buraco e é transportada para um mundo mágico, repleto de personagens malucos e muitas aventuras. Em uma livre e divertida adaptação de “Alice no País das Maravilhas”, Daniel Leite Almeida combina diferentes figuras e temas do imaginário brasileiro à clássica história de Lewis Carroll.

É importante ressaltar que os recursos de LIBRAS, assim como audiodescrição estarão disponíveis apenas para a sessão online.

“Alice dos Anjos” será exibido presencialmente no dia 4 de junho, às 17h e às 18h26, de forma gratuita, no Teatro da Vila e no Museu Oscar Niemeyer. A exibição online ocorre do dia 7 a 9 de junho, pelo site oficial do Olhar de Cinema.

– “Despedida” (Dir. Luciana Mazeto e Vinícius Lopes | 2021 | Brasil | 90’) – Quando Ana, de 11 anos, viaja para o enterro da sua avó em uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, coisas estranhas começam a acontecer. Ao lado da casa da família há uma floresta, e nela, um mundo mágico habitado por fantasmas, lobos e todo tipo de seres fantásticos. No decorrer de um feriado de carnaval, um mistério familiar, que liga sua avó e sua mãe, precisa ser desvendado usando de intuição e coragem. Só assim será possível curar as feridas do passado para novamente encantar o presente.

É importante ressaltar que os recursos de LIBRAS, assim como audiodescrição e legenda para surdos e ensurdecidos estarão disponíveis apenas para a sessão online.

Despedida” será exibido presencialmente no dia 5 de junho, às 10h30 e 12h40, no Cine Passeio. E ainda no dia 5 às 17h e 18h40, de forma gratuita, no Museu Oscar Niemeyer e Teatro da Vila. A exibição online ocorre do dia 7 a 9 de junho, pelo site oficial do Olhar de Cinema.

Confira a programação completa da 11ª edição do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba por meio do aplicativo oficial, disponível para Android e iOs. Por lá, ainda é possível criar o seu próprio cronograma cinematográfico de acordo com as preferências pessoais, acessar a localização geográfica das salas de cinema e saber onde adquirir os ingressos para as sessões. O valor dos ingressos é de R$7 (meia-entrada) e R$14 (inteira) e R$6 para as sessões online. Confira também a programação gratuita da edição no site oficial.

11ª edição do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba tem patrocínio da Sanepar, Compagas, Copel, Uninter e Peroxidos do Brasil; apoio do Grupo Servopa, EBANX e Tintas Verginia; apoio cultural do Projeto Paradiso; e produção da Grafo. O projeto também tem recursos do Programa de Apoio de Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba -, com realização do Ministério do Turismo, por meio da Secretaria Especial da Cultura.


Serviço

11º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba

Quando: 1º a 9 de junho de 2022

Site oficialwww.olhardecinema.com.br

Redes sociaisInstagram | Facebook | Twitter

Patrocínio: Sanepar, Compagas, Copel, Uninter e Peroxidos do Brasil

Apoio: Grupo Servopa, EBANX e Tintas Verginia

Apoio Cultural: Projeto Paradiso

Produção: Grafo
Projeto realizado com recursos do Programa de Apoio de Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba, com realização do Ministério do Turismo, por meio da Secretaria Especial da Cultura

Deixe um comentário