Coluna Paola Gulin, maio de 2018 - TOPVIEW
Compartilhe

Intrépida: foi assim que meu pai me chamou quando decidi continuar minha viagem pela Ásia depois de morar por seis meses na Índia. Confesso que naquele momento essa palavra nem fazia parte do meu vocabulário, mas nada fazia mais sentido do que continuar a jornada mais especial da minha vida, que me abriu portas imensuráveis. Desde então, foram inúmeras aventuras e experiências em outras viagens sozinha, acompanhada por desconhecidos ou pessoas que amo. E, mesmo assim, até hoje, parece que falar de mulheres viajantes é uma novidade. Mas neste mundo tão vasto, conectado e diverso, é necessário abandonar estereótipos e se abrir para novas possibilidades.

E é exatamente isso o que as mulheres estão fazendo: hoje, elas são mais de dois terços dos viajantes do mundo. E vão muito além: de acordo com uma pesquisa da Forbes, as mulheres são responsáveis por mais de 80% das decisões de viagem, independentemente do destino, da companhia e de quem pagará pelo roteiro. E, se na sua cabeça vem uma mocinha jovem, de mochila nas costas em busca de uma Eurotrip, temos aqui mais um pré-conceito para deixar de lado: a mulher viajante está acima dos 40 anos e em busca de novas aventuras, experiências e aprendizados pelo mundo – seja sozinha, com amigas ou com a família. Como consultora de viagens, vejo essa realidade sempre e, desde 2015, tenho exemplos muito próximos de mulheres intrépidas com o Clube de Leitura Volta ao Mundo Literária. Há quase três anos, nossas terças-feiras são pautadas por literatura, viagens e trocas riquíssimas.

Nesses encontros, reunimos mulheres tão diversas em idade, estado civil, condição social, estilo e personalidade, mas com uma vontade em comum: conhecer mais o mundo e sua diversidade por meio da literatura. Essas leituras são como experiências de empatia, que nos transportam para outros lugares do planeta para abraçar a alma de outras pessoas e, ao mesmo tempo, renovar a nossa própria. Essa jornada literária já nos colocou na pele de muitas outras mulheres corajosas e inspiradoras, como a norte-coreana Yeonmi Park, a nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, a iraniana Marjane Satrapi e as chinesas Xinran e Jung Chang, sem falar das diversas personagens marcantes de inúmeros livros. Reforçando esse interesse das mulheres por essas novas aventuras, por enquanto, o único homem que participa desses encontros literários é o nosso mediador, o Francisco Escorsim. A boa notícia é que temos vagas abertas para que mais homens também embarquem nessa jornada! Interessados? 

Clube de Leitura Volta ao Mundo Literária

Os encontros são quinzenais. Presenciais às terças-feiras e o virtual às segundas-feiras.
Turma presencial da tarde: às 17 hrs (duração de 1h30) Turma presencial da noite: às 19h30 (duração de 1h30)
Endereço: R. Tobias de Macedo Junior, 1323 – Santo Inácio – Curitiba – PR
Se você tem interesse em participar, mande um email para paola@nomadroots.com.br ou ligue para (41) 3374-2237

Paola Gulin (@pagulin) é viajante de carteirinha, apaixonada pelo mundo e sua diversidade. É sócia e consultora da NomadRoots – Viagem e Conhecimento e fundadora do Clube de Leitura Volta ao Mundo Literária, que viaja pelo mundo por meio da literatura.

*Coluna originalmente publicada na edição 211 da revista TOPVIEW

In this article

Join the Conversation