Coluna Elis Cabanilhas Glaser, abril de 2018 - TOPVIEW

Coluna Elis Cabanilhas Glaser, abril de 2018

Conheça as peculiaridades da região vinícola mais isolada do planeta, na deslumbrante Nova Zelândia

328 0
Compartilhe

Os vibrantes Sauvignon Blancs da Nova Zelândia

É do outro lado do mundo, longe de tudo, em meio a cavernas, praias, geleiras e vulcões que está localizada a região vinícola mais isolada do planeta, na deslumbrante Nova Zelândia.

Apesar de os exemplares de Pinot Noir neozelandeses estarem conquistando cada vez mais fãs mundo afora, são os seus brancos, produzidos com a uva Sauvignon Blanc, que projetaram essa região para o mundo.

Reconhecimento merecido! Fora do Vale do Loire, região francesa onde a Sauvignon Blanc encontrou o seu apogeu com os magníficos Sancerre e Pouilly-Fumé, a Nova Zelândia é a localidade que melhor expressa o potencial dessa pérola branca. Com exemplares mais frutados e menos minerais do que os característicos produzidos no Loire, o sucesso da Sauvignon Blanc nesse país se deve não apenas ao clima, mas também às técnicas de produção.

Experientes enólogos desenvolveram por lá uma técnica de cultivo em que colhem as uvas de diferentes solos, em diferentes estados de maturação, conseguindo, assim, uvas com graus de açúcar e acidez distintos. Ao término da colheita, na hora da vinificação, os enólogos fazem um corte (uma mistura) com essas uvas colhidas separadamente, obtendo vinhos com maior complexidade aromática e um equilíbrio perfeito entre álcool e acidez. É exatamente essa técnica, aliada à fermentação em tanques de inox a baixíssimas temperaturas, que agrega aos Sauvignons neozelandeses a perfeita integração dos aromas de frutas, flores e mineralidade, tão apreciados pelos amantes dessa bebida.

Marlborough, escolha certa

A Nova Zelândia possui 15 regiões produtoras, mas, quando você for escolher o seu vinho, aposte nos exemplares produzidos em Marlborough. É a região que mais se destaca em Sauvignon Blanc. Outra curiosidade são as tampas de rosca que vedam os brancos neozelandeses. É bastante comum encontrá-las. Foi lá que surgiram as primeiras garrafas fechadas com a screw cap, tampinha de rosquear, uma tendência cada vez mais presente nas garrafas do Novo Mundo e que em nenhum momento deve ser vista como demérito. Essa rolha, além de ser sustentável, é ideal para vinhos que devem ser consumidos jovens, pois preserva perfeitamente o frescor e os aromas que esperamos desses delicados, vibrantes e deliciosos vinhos.

Três vinhos de Marlborough, Nova Zelândia

Cloudy Bay Sauvignon Blanc (R$ 313,61)
Importadora Wine (wine.com.br)

 

 

 

 

 

Brancott Estate Sauvignon Blanc 2017 (R$ 105)
Importadora Porto a Porto (portoaporto.com.br)

 

 

 

 

 

Saint Clair’s Sun Sauvignon Blanc 2016 (R$ 79)
Importadora Grand Cru (grandcru.com.br)

 

 

 

 

 

 

 

*Elis Cabanilhas Glaser (@eliscabanilhasglaser) é jornalista, sommelière e editora da Revista Vinícola, primeira publicação 100% digital sobre vinhos do Brasil.

*Matéria publicada por Elis Cabanilhas Glaser originalmente na edição 210 da revista TOPVIEW.

Neste Artigo

Converse com a Gente