Charuto é coisa de mulher, de jovem, de homem – de quem quiser

Charuto é coisa de homem? NÃO MESMO! É de mulher, de jovem, de quem quiser!

Convidada da coluna, Verônica Maia conta como descobriu e se aprofundou na cultura dos charutos e destaca o diferencial dos cubanos

847 0
Compartilhe

Para quem não me conhece, muito prazer! Eu sou a Verônica Maia, esposa do Stefan Deckert, o autor da coluna. No mês em que comemoramos o Dia da Mulher, nada melhor do que o meu ponto de vista sobre a cultura charuteira, não é mesmo? Vou compartilhar com vocês como a minha adoração pelos charutos começou.

Sabe aquela história de que mulher não gosta de charutos? Não sei exatamente como surgiu essa premissa, mas fato é que, a cada dia que passa, eu vejo mais mulheres interessadas em conhecer o universo dos charutos e o número de degustadoras cresce na mesma velocidade.

Um dos melhores exemplos sobre esse súbito interesse é o meu, já que a minha trajetória nesse universo é similar à de muitas outras mulheres. A minha história começou recentemente, em 2017, quando tive a chance de participar de uma harmonização de cervejas com charutos. Quando surgiu o convite, fiquei muito interessada, pois, além da paixão pelos charutos, sou uma grande fã de cervejas.

O medo veio ao mesmo tempo em que o interesse apareceu, afinal, eu nunca tinha provado, não sabia como fazer, qual o gosto, qual a etiqueta, entre muitas outras dúvidas. Mas segui em frente e descobri uma paixão arrebatadora, hoje compartilhada com o meu marido e com as minhas amigas e que faço questão de dividir com quem tenho a chance de ensinar.

Hoje, tenho até os meus preferidos, que são os cubanos. Aliás, o que eu mais gosto é o charuto Romeo Y Julieta, um cubano fantástico, uma explosão de sabores e perfeito para ser degustado com uma cerveja Stout.

Minha dica para as mulheres que gostariam de conhecer mais sobre os charutos é: não tenham medo. Conheçam as tabacarias, frequentem os eventos, peçam indicações, leiam a respeito, busquem informação. Nós já ultrapassamos tantas barreiras, por que não vencer mais essa? É um universo apaixonante e que vale a pena ser conhecido. Contem comigo nessa caminhada. Um feliz mês da mulher para todas nós.

Três charutos cubanos para experimentar

Cohiba Siglo I. Feito à mão, de uma das marcas mais conceituadas do mundo. R$ 85.

H.Upmann Half Corona. Indicado para uma degustação mais rápida, de 30 a 40 minutos. R$ 57.

Romeo y Julieta Wide Churchills Coronitas En Cedro. Feito à mão. Suave, ideal para iniciantes. R$ 45.

In this article


Join the Conversation