ESTILO

Casa Vogue destaca a revolução da gastronomia brasileira promovida pelos chefs Janaína e Jefferson Rueda

Edição de agosto de Casa Vogue destaca como a pandemia transformou a vida dos premiados chefs Janaína e Jefferson Rueda, que passaram a cultivar ingredientes diretamente do sítio da família, no interior paulista
A edição de Casa Vogue de agosto traz como tema central o campo e as nuances do viver em sintonia com a natureza. Ela captura o forte movimento (já existente antes da pandemia, e reforçado por ela) de reinvenção da vida campestre – o que fez explodir a demanda entre os arquitetos de projetos residenciais no campo. Na matéria Raízes caipiras, os chefs Janaína e Jefferson Rueda, responsáveis pelo Bar da Dona Onça e pela A Casa do Porco, em São Paulo, promovem a revolução da gastronomia brasileira. Em seu recém-adquirido sítio em São José do Rio Pardo, interior de São Paulo, eles revelam que o segredo do sucesso é ancestral: está no equilíbrio da natureza, no afeto das relações e, sobretudo, no entendimento da urgência de praticar o cultivo sustentável.
 
(Foto: Gui Gomes | Casa Vogue)

Ao longo de nove hectares eles produzem de tudo: frutas, legumes e cogumelos saem da horta agroecológica que abastece os restaurantes do premiado casal. A técnica é secular: o galinheiro fornece adubo ao pomar e seus descartes alimentamos animais. Abelhas africanas sobrevoam a área em segurança – a polinização vigora o repolho, a rúcula e tantas outras espécies cultivadas ali. Os resíduos passam por tratamento e a água retorna em perfeitas condições à natureza graças ao círculo de bananeiras, capaz de filtrar dezenas de litros diariamente. Assim como os ciclos da natureza, a quinta de Jefferson e Janaína é toda colaborativa.

Cada ingrediente oriundo dessas paragens é aproveitado em experimentos e receitas já consagradas, como o cuscuz de galinha caipira que atravessa gerações dos Rueda. Seriguelas, mangas e jabuticabas vão para o laboratório de Janaína, que se descobriu uma legítima licoreira. Frutos fresquinhos tornam-se licores e vermutes sazonais, ou “bruxarias”, como prefere a dona Onça. “É trabalhoso e mais caro cultivar orgânicos, mas a mudança tem de partir de nós. Se cada um fizer a sua parte, o mundo muda mais rápido. Não podemos esperar o outro começar”, diz ela, confessando nunca ter imaginado levar uma vida campestre.
 
(Foto: Gui Gomes | Casa Vogue)
“Nasci no centro de São Paulo. Mais urbana, impossível. Tudo aqui é muito novo para mim. Morro de medo de cobra, de onça e, para falar a verdade, não tenho todo esse pique de plantar. Meu lugar é na cozinha”, entrega Janaina. Os planos eram mesmo de Jefferson. Nada lhe soava tão natural quanto regressar às raízes para colher fruto do pé, criar galinhas, perus e patos, como fazia aos 10 anos, sem qualquer romantização. Sempre postergado, o anseio se realizou de supetão em meio à pandemia.
E assim, o casal Rueda exalta a culinária popular brasileira por meio de sua gastronomia premiada na cidade. E defende a engrenagem sustentável do passado e uma cadeia colaborativa na roça.
 

Casa Vogue Smart

E para quem sonha em cultivar uma horta ou até mesmo um jardim em casa ou no apartamento, Casa Vogue lançou Smart, espaço dedicado à dicas práticas e essenciais para todos os bolsos e gostos, com a curadoria da equipe da publicação – reconhecida por seu rigor e gosto refinado. Com projetos práticos, criativos e acessíveis, o novo canal digital da revista democratiza o acesso à arquitetura e ao design.
 
Clique aqui e confira.

Deixe um comentário