Esconder-se para se encontrar. Descubra 8 destinos para uma experiência transformadora - TOPVIEW

Esconder-se para se encontrar. Descubra 8 destinos para uma experiência transformadora

À medida que a vida acelera, também cresce a busca por se desconectar, nem que seja por alguns dias

1613 0

A situação do personagem de Tom Hanks no premiado Náufrago (2012) é um exemplo extremo de solidão e isolamento. Porém, ativa nossos devaneios primitivos de total retiro, temperado com doses de romance e o orgulho de sobreviver às adversidades. Em um tempo em que a fronteira entre trabalho, lazer e vida privada quase inexiste, graças às ferramentas digitais, desligar-se da correria por meio de uma viagem “desconectada” pode ser o antídoto ideal para o estresse.

Há quatro anos, a empresária Paola Gulin lançou com a mãe, Cristina, a Nomad Roots, agência de viagens voltada ao turismo de experiência. São lugares remotos que elas oferecem, muitas vezes de difícil acesso, mas que certamente compensam qualquer sacrifício. Os valores pagos em transporte, hospedagem e alimentação também são superiores aos de destinos mais conhecidos e frequentados. “Lugares remotos exigem muito mais esforço, tempo, verba, logística e vontade de empreender para ter uma gastronomia de qualidade, um staff bem treinado, quartos confortáveis, tecnologia, etc.”, pondera Paola.
Veja algumas sugestões de destinos que estão longe dos roteiros de turismo de massa e podem proporcionar desconexão, encontro com a natureza e, por que não, consigo mesmo.

Amazônia: conforto rústico

Os brasileiros quase não conhecem esse destino cobiçadíssimo pelos gringos. Em alguns lugares, simplesmente não há internet, porém, já há barcos fretados exclusivos para lugares onde quase ninguém chega e hospedagem confortáveis. Entre as atividades possíveis, estão caminhadas na mata traçadas pelas comunidades locais, pesca de piranhas, observação de botos-cor-de-rosa, visitação de comunidades ribeirinhas, nado nos rios, praias incríveis, os reflexos do Rio Negro e conhecer mais a história do Brasil e as crenças dos índios e caboclos. iberostar.com

O céu do Atacama

Desligar o celular e se ligar no deserto é missão mais do que possível nesse imenso território no Chile, um destino bem plausível para os brasileiros. O silêncio é o primeiro fator a causar impacto no viajante, além, é claro, da paisagem maravilhosa, que muda dependendo da estação do ano. Por lá, é possível fazer passeios de vários tipos de carro ou a pé e incluir escaladas de vulcão para chegar até a mais de 5 mil metros de altitude. Observar o céu à noite é uma experiência altamente recomendável. Para quem não abre mão de boa infraestrutura, há hotéis que oferecem todos os passeios com guias experientes, gastronomia de qualidade, translados e um itinerário de acordo com os interesses do visitante. chile.travel

Nepal, cravado nas montanhas do Himalaia

Sua porta de entrada é a caótica Catmandu, repleta de templos e lugares sagrados. Os viajantes em busca de retiro podem se encaminhar, depois, para o *Dwarika’s Resort, cravado na cordilheira do Himalaia, onde estão as montanhas mais altas do mundo. Junto à paisagem, o hóspede pode fazer uma imersão na busca por equilíbrio por meio de atividades como yoga, meditação, cerâmica e caminhadas. A gastronomia mescla ingredientes naturais produzidos localmente. Já as acomodações trazem o que há de mais especial e confortável no Nepal, com muita privacidade e tranquilidade. Quem vai pensar em wi-fi em um lugar desses?

*O programa Revival and Relaxation, de quatro dias, custa US$ 1.100 por pessoa em um quarto duplo e inclui consulta com o médico ayurveda, sessão de yoga e meditação diariamente, todas as refeições, uma massagem relaxante, esfoliação, sessões com técnicas da medicina ayurveda e uso livre da academia, da piscina e de toda a estrutura do hotel. dwarikas-dhulikhel.com

Butão, onde mora a felicidade

Natureza exuberante, espiritualidade e habitantes felizes. Impossível não se encantar com esse trinômio do Butão, país asiático localizado no meio da Cordilheira do Himalaia. Trata-se de um dos países mais fechados para o turismo por causa da geografia, por isso, ainda conserva muito da sua essência. Predominantemente budista, apresenta ao viajante uma infraestrutura fascinante e exclusiva de hotéis que convidam a imergir na cultura local. Além do ar puro, das paisagens maravilhosas, das diferenças sociais menos evidentes e da espiritualidade, a felicidade do povo do Butão é atribuída também ao baixo interesse pelos meios digitais. tourism.gov.bt

Descoberta do outro e de si

Viagens podem guardar um potencial transformador, principalmente quando se assume a postura de viajante, não a de turista. O jornalista Ike Weber construiu uma carreira sólida na comunicação e família, mas o projeto de viajar pelo mundo esteve lá, intocado. Até que uma viagem ao Deserto do Atacama, no Chile, fez com que ele mudasse o ritmo do seu tambor existencial. A primeira grande expedição – 11 meses viajando sozinho do Brasil ao Alaska – está registrada no livro De Mochila pelas Américas – Histórias, Reflexões e Experiências. “O que me move é a vontade da descoberta, o ímpeto da exploração, o profundo interesse por outras culturas, povos e regiões e a disposição de ter uma vida interessante, fora do lugar comum”, explica Weber.
A jornada, à medida que se afasta do limite da vida familiar e cotidiana, aproxima-nos dos nossos sentimentos mais íntimos. “As viagens são oportunidades para refletir, quando se está sozinho, e para aprender e interagir, quando acompanhado”, avalia o jornalista. “Primeiro, é preciso um tempo para desestressar e romper com o ciclo automático do dia a dia. Depois, a memória se reativa e aí vêm as melhores ideias, projetos e a criatividade é estimulada.” Atualmente, Weber está em uma expedição de três meses que começou na Coreia do Norte e terminará em Taiwan.

 

Antártida: 50 tons de azul

O “Continente Branco” está em nosso imaginário, mas são poucos os que se aventuram nesta que é uma das regiões naturais mais preservadas do planeta. A melhor forma de explorar a Antártida é fazer um cruzeiro de pequeno porte para observar os icebergs de perto, explorar as áreas mais remotas e ficar face a face com diversas espécies de animais em um lugar onde pinguins, focas e baleias são os únicos habitantes permanentes. Impossível não se desligar do mundo como o conhecemos em um cenário onde predominam tons de azul, paisagens inóspitas e a sensação de estar em um lugar inabitado. Para os mais destemidos, é possível fazer atividades de montanhismo, caiaque, esqui, stand up paddle ou, ainda, um mergulho polar. iaato.org

Tanzânia: conforto e exuberância natural

Nem só da emoção dos safáris que são feitas as experiências no continente africano. Além de ser o berço de diversos parques nacionais, a Tanzânia oferece lodges impecáveis e luxuosos. Para aventureiros que buscam conforto, é possível pernoitar em acampamentos móveis com atendimento personalizado e segurança. Mas, talvez, a experiência mais exclusiva de todas seja no hotel *andBeyond Mnemba Island, em uma ilha privativa do arquipélago de Zanzibar, margem-leste africana. A estrutura é feita de cabanas, todas abertas, sem ar condicionado. Também não há piscina, mas, em compensação, uma praia paradisíaca de areia branquinha e mar cristalino fica à disposição do hóspede. 

*Diárias a partir de US$ 1.270 por dia e por pessoa, incluindo translados, todas as refeições, bebidas alcóolicas, esportes aquáticos (com dois mergulhos de cilindro por dia) e lavanderia. andbeyond.com

França: Les Sources de Caudalie

Também é possível se reconectar consigo mesmo estando no berço da gastronomia e da vinicultura mundiais: o interior da França. O hotel *Les Sources de Caudalie fica a sudoeste, na região da Aquitânia. Está no coração do Château Smith Haut Lafitte, uma das melhores vinícolas do entorno. Além de quartos e suítes decorados e confortáveis, tem um spa, que oferece vinhoterapia. Esses tratamentos combinam as virtudes da água quente natural (a partir de 540 m abaixo da terra) com recentes descobertas científicas dos benefícios da uva. Um dos restaurantes do hotel é o La Grand’Vigne, com duas estrelas no Guia Michelin. nomadroots.com.br
*Diárias a partir de € 360. 

Campo Alegre: yoga nas alturas

Nem sempre é possível investir muito tempo e dinheiro em uma experiência de desconexão e detox digital. A Chácara Shanti Gaia fica a 130 km de Curitiba, em cima da serra, no município catarinense de Campo Alegre. São poucos quartos que seguem um padrão de luxo, incluindo hidromassagem e sauna, mas há uma infraestrutura completa para cursos e workshops voltados ao equilíbrio do corpo e da mente, tais como meditação vipassana, reiki, aulas de yoga, culinária vegana, entre outros. A recepção é totalmente amigável e casual, feita pelo casal Roberto e Mallú Krelling (ela mestre em yoga). chacarashantigaia.com.br

Reverberações

Acostumada a viajar para várias partes do mundo, a artista visual Mariana Branco viu sua vida transformada quando fez uma jornada espiritual à Índia, em 2011. “Foram dias incríveis. Imersa naquela cultura totalmente diferente, com tantos sons e cheiros, meus sentidos ficaram ávidos por entender e assimilar”, conta. “Processos imensos foram aprofundados durante essa jornada. E as respostas às minhas questões estavam lá, a olhos vistos, para que eu pudesse me apropriar.”
No retorno, Mariana redirecionou a carreira para os ensinamentos da terapia da respiração e lançou um livro que une yoga e arte fotográfica. “Uma viagem espiritual fica reverberando no nosso corpo e na nossa mente durante algum tempo. De repente, me coloco a pensar, até hoje!”

 

ESTILO TOPVIEW
A Serra do Rio do Rastro (SC) é a indicação da equipe TOPVIEW para quem quer se desconectar com luxo, conforto e em um destino mais próximo. Releia nossa matéria com dicas de onde se hospedar e sobre a gastronomia e as atrações do local: bit.ly/SerradoRioRastro.

*Matéria escrita originalmente por Dani Brito e publicada na edição 207 da revista TOPVIEW. 

Neste Artigo


Converse com a Gente