Artigo: 4 cuidados essenciais com a pele das crianças

A dermatologista da Neoderme, Luz Marina Hannah Grohs, mostra que os pequenos também precisam de muitos cuidados - principalmente com a exposição ao sol

0

Muitos pais ficam em dúvida em relação aos cuidados que devem ter com a pele das crianças. Elas podem usar protetor solar? Se sim, qual produto utilizar? E os bebês, também devem usar filtro solar? De acordo com a dermatologista da Neoderme, Luz Marina Hannah Grohs, o uso do protetor solar deve ser feito já nos primeiros meses de vida.

“Os pais podem iniciar os cuidados básicos com a pele das crianças desde o nascimento, com reforço especial para hidratação e sabonetes adequados ao pH da pele do bebê (pH em torno de 3,5). Evite a luz solar direta em crianças com menos de 6 meses. E é sempre bom frisar: a exposição ao sol deve ser feita antes das 10h e depois das 16h.”, ressalta a especialista.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra, a cada ano, 135 mil novos casos e o câncer da pele responde por 25% de todos os diagnósticos de câncer no Brasil.

Cuidados especiais com a pele das crianças

Escolha o protetor ideal

Sempre utilize a linha kids de protetores solares. Esses produtos, que trazem uma composição mais suave, são desenvolvidos especificamente para a pele infantil, já que é mais sensível. Não utilize protetor de adulto em criança. Entre 6 meses e 2 anos, use produtos compostos por filtros totalmente inorgânicos (físicos), pois apresentam mínimo potencial de alergia e maior estabilidade ao sol. Após os 2 anos de idade, a dica é utilizar produtos com equilíbrio entre filtros orgânicos e inorgânicos, com alta resistência à água e de fácil aplicação.

Reaplique o protetor

Nas crianças com idade superior a seis meses, aplique o protetor solar com FPS 30 ou maior, 15 a 30 minutos antes da exposição, e repita a aplicação a cada 2 horas (especialmente depois de estar na água). Também é bom reforçar que o sol queima mesmo em dias nublados e a reflexão UV pela areia, água e cimento duplica a quantidade de exposição à radiação UV.

Em ambiente urbano, com pouca exposição direta ao sol, a dica é aplicar o protetor solar diariamente em áreas expostas ao sol (principalmente rosto, pescoço) a cada 3 horas.

Fique atento aos sinais

Alguns sinais na pele merecem atenção dos pais, tais como a presença de pintas gigantes (nevo melanocítico congênito gigante), presente ao nascimento e que atinge, no mínimo, 20cm de diâmetro na vida adulta. Apesar de ser raro, possui importância pois é um fator de risco para melanoma maligno.

Vale lembrar, ainda, das ‘manchas café com leite’, que podem ser um indicativo da doença neurofibromatose. É uma enfermidade de origem genética que afeta principalmente o sistema nervoso e pele, mas pode afetar outros órgãos e necessita de vigilância constante em relação a surgimento de tumores.

Outras maneiras de se proteger

Além do uso frequente do protetor solar, é importante fazer uso de acessórios como bonés e óculos. Na praia, a dica é usar chapéu de abas largas para que cubra face, orelhas e nuca. Além disso, não se esquecer dos óculos escuros tamanho infantil com pelo menos 99% de proteção UV.

Qualquer alteração na pele da criança, o ideal é consultar um dermatologista. “O dermatologista é o profissional especialista no diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças da pele, pelos, mucosas, cabelos e unhas, tanto de adulto quanto de crianças”, lembrou a dermatologista.

Neste Artigo


Converse com a Gente