Conheça os vencedores

Aos 21, Laura Mocellin assume a cozinha do Officina

Menu da nova chef tem referências internacionais e apresentação deliciosa e inovadora. O ceviche, por exemplo, é servido em um coco

Publicado em 22 de fevereiro de 2016

Mais do que em outros jantares, havia uma expectativa incomum na degustação do Officina Restô Bar. O que esperar da nova chef que, aos 21 anos, acabava de assumir a cozinha do espaço com menu renovado?

Laura Mocellin trouxe para o novo cardápio um mix da gastronomia internacional, sobretudo francesa e italiana. Outra característica da chef é valorizar a apresentação dos pratos – perfil que orna com o outro lado do Officina, os coquetéis do premiado Diego Bastos. Da cozinha antiga, que tinha referência na gastronomia brasileira, permanece apenas a coxinha de pato (um dos carros-chefes da casa, em que não se ousaria mexer, ainda bem).

A burrata cremosa com mix de tomatinhos cereja e molho pesto ilustra o cuidado da chef com a apresentação dos pratos.

A burrata cremosa com mix de tomatinhos cereja e molho pesto ilustra o cuidado da chef com a apresentação dos pratos.

Para começar a degustação, Laura apresentou um arancini (espécie de bolinho frito de risoto) com gorgonzola e chutney de cebola com chipotle (R$ 31) e um fried brie ravióli com molho de frutas vermelhas (R$ 31). O arancini foi uma boa surpresa (servido numa minicestinha de compras), mas toda a massa do fried ravióli mascarou o sabor do queijo brie.

As opções de entradas contemplam tanto quem busca algo mais refinado, sabores diferentes ou um tradicional pastel ou batata-frita. O ceviche, que já é uma celebridade, é servido em um coco.

O ceviche com crispy de batata-doce já se tornou uma das entradas mais pedidas da casa.

O ceviche com crispy de batata-doce já se tornou uma das entradas mais pedidas da casa.

Entre os pratos principais, o peixe foi servido como um filé generoso, alto e no ponto certo, acompanhado por mousseline de mandioquinha (mais denso do que o ideal), aspargos e molho de laranja (R$ 53) – refeição muito bem servida. A textura do nhoque agradou, mas alguns convidados sentiram falta de um molho ou ingrediente que desse mais personalidade ao prato, servido com manteiga de sálvia numa cestinha de parmesão (R$ 39).

Nhoque na manteiga de sálvia com crispy de parmesão.

Nhoque na manteiga de sálvia em cestinha de parmesão é uma das opções de prato principal.

Para a próxima semana, o restaurante promete novos pratos no cardápio, que até agora estava em versão reduzida: arroz de pato, ravióli de gema com espinafre e ricota, petit gâteau de doce de leite e iogurte artesanal com calda de damasco e laranja, entre outras criações da chef, que trancou o curso de gastronomia na PUC-PR para se dedicar ao Officina.

Aliás, foi na sobremesa que Laura Mocellin dissipou qualquer dúvida sobre suas habilidades: a tortinha de chocolate com merengue e morangos arrancou suspiros, e algumas pessoas garantiram que era o melhor merengue que já tinham provado. O crème brulée não decepciona: queimado na medida certa, com creme saboroso. Vale dizer que agradam sobretudo quem gosta de doces bem doces.

A chef Laura Mocellin comanda uma equipe igualmente jovem, na faixa de 18 e 19 anos. Foto: Ricardo Chatagnier/Divulgação

A chef Laura Mocellin comanda uma equipe igualmente jovem, na faixa de 18 e 19 anos. Foto: Ricardo Chatagnier/Divulgação

Conversando com Laura, ela transmite calma e confiança para comandar uma equipe toda renovada, em que predominam jovens de 18 ou 19 anos. A chef transita entre pratos mais complexos e aqueles simples mas bem feitos, em porções generosas. A expectativa é de que no futuro surpreenda com sabores e combinações inusitados, com uma assinatura consolidada.

Comentários



Comente pelo Facebook



Comente pelo Facebook



Comente pelo Facebook