Em 2018, faça acontecer

O início de um novo ano é o momento para a retomada de projetos e a definição de objetivos. Como realmente alcançá-los?

1989 0

Janeiro chega e, no pacote, traz uma extensa lista de novas metas e propósitos. Os quilos que serão definitivamente eliminados. O emprego dos sonhos. A viagem com fotos dignas de redes sociais. Não são poucos planos e projetos, mas a falta de organização e de planejamento muitas vezes acaba deixando boa parte desses propósitos apenas no papel. Além disso, nem sempre a vida segue o roteiro programado e, mesmo com tudo organizado, surpresas são inevitáveis.

A psicanalista Ana Suy Sesarino Kuss salienta que é comum as pessoas imprimirem inúmeras exigências e fazerem projetos ambiciosos no início do ano sem levar em conta que há muitas situações que dependem de fatores externos. “As pessoas também esquecem que as melhores coisas da vida não cabem em listas”, enfatiza.

Apesar de não ter o hábito de fazer listas de objetivos para o ano que está começando, a psicóloga e professora universitária Adriane Wollmann tinha feito uma série de planos profissionais para 2017. Como a vida acadêmica é a sua grande paixão, tinha dobrado a carga horária na universidade e estava comprometida com cinco turmas de futuros psicólogos.

Estava, ainda, organizada para fazer sua qualificação do mestrado em Políticas Públicas na UFPR e a produção de trabalhos para o Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR), onde foi eleita conselheira. Tudo devidamente programado, exceto o diagnóstico de câncer de mama, no início de 2017.

“A notícia de um diagnóstico de câncer é sempre o encontro com a finitude da vida. É ver a morte de pertinho, por melhores que sejam os prognósticos e por mais que eu acreditasse na cura”, afirma Adriane, que descobriu a doença em estágio inicial, mas ainda assim precisou passar por uma cirurgia para a retirada do nódulo e pelo processo de radioterapia, além de ter de fazer acompanhamento medicamentoso pelos próximos dez anos.

A psicóloga conta que, aos poucos, sua vida está “voltando ao prumo”, mas já não se vê fazendo planos a longo prazo, pois percebe a necessidade de aproveitar o hoje, o agora. “A possibilidade da morte me permitiu pensar que cada dia deve ser vivido ao máximo”, enfatiza.

Metas próximas da realidade

O coach pessoal e profissional Tiago Lopes destaca que as famosas listas com as promessas de final de ano, em geral, apontam para projetos que não foram colocados em prática e que, por isso, acabam gerando angústia, ansiedade ou frustração.

Uma das falhas humanas, segundo Lopes, é a falta da administração correta do tempo. Segundo ele, as pessoas costumam dividir seu tempo em três grupos: “importante”, que envolve tudo o que irá agregar algo ao crescimento pessoal ou profissional; “urgente”, relacionado às questões imediatas, que não podem ser adiadas, que ele classifica como o “apagar o fogo”; e o “supérfluo”, que não tem relevância significativa, como passar horas nas redes sociais.

“Identificar o tempo que dedicamos a cada um desses grupos é uma forma de analisarmos onde estamos errando e como podemos mudar”, argumenta.
O coach Daniel Lustig, da consultoria Mind Factory, orienta a estabelecer metas mais próximas da realidade. Ele cita como exemplo uma pessoa que quer perder 12 quilos. Se ela distribuir esse peso ao longo de um ano, seria um quilo por mês ou 250 gramas por semana. “Quanto mais real for a meta, mais fácil de chegar a ela”, ressalta.

Veja algumas dicas dos profissionais para alcançar seus objetivos em 2018:

1. Desejo verdadeiro de mudança: estar realmente disposto a mudar e ter consciência dos desafios que virão e das coisas de que terá de abrir mão. Se você quer se tornar maratonista, precisa estar disposto a treinar diariamente, faça sol ou faça chuva.
2. Defina quais são suas metas e seus objetivos: meta e objetivo são coisas diferentes. Objetivo é onde você quer chegar, como perder peso. Metas são as ferramentas que você vai usar para alcançar seu objetivo, no caso, dieta, exercícios, etc. Coloque no papel quais são os seus objetivos e depois defina as metas para cada um deles, sem pular etapas.
3. Planeje seus recursos: se o objetivo é uma viagem, uma faculdade ou um curso no exterior, é preciso um planejamento financeiro. Mas os recursos também podem envolver a sua rede de contatos na busca por uma nova colocação profissional.
4. Libere espaço: é o famoso “desapego”. É necessário liberar bens materiais ou ideias e pensamentos que já não são mais úteis para abrir espaço às coisas novas.
5. Não tenha medo de errar: não se preocupe em cometer erros, mas sim em corrigi-los.
6. Foco: muitas pessoas não possuem um foco ou focalizam o problema (no lugar da solução). O foco no lugar certo é o início do sucesso.
7. Sonhar: todo mundo sonha com algo, mas um sonho só deixa de ser um sonho quando passa a existir no mundo real. É necessário colocar uma data para a conclusão desse sonho e transformá-lo em um objetivo. A partir daí, é só estabelecer as metas e as etapas a serem concluídas até o objetivo, sempre de forma clara e com datas predeterminadas.
8. Crenças: é necessário se desvincular de pensamentos enraizados e tratados como verdade, como pensar que “dinheiro não traz felicidade”. “Com esse pensamento, a pessoa irá acreditar que essa é uma verdade absoluta, irá sentir que isso faz sentido na sua vida, terá atitudes que condizem com esse pensamento, talvez até se autossabotando de maneira inconsciente para que não tenha prosperidade financeira”, comenta Lopes.

Objetivos para 2018

Praticar empatia
Cuidar do meio ambiente
Passar menos tempo online
Apreciar as pequenas coisas
Melhorar a alimentação
Fazer mais exercícios físicos
Estar perto de quem se ama
Ler mais
Ousar mais 

*Matéria escrita originalmente por Danielle Blaskievicz e publicada na edição 207 da revista TOPVIEW.

Neste Artigo


Converse com a Gente