Alfredo Gulin Neto, construtor de ideias

Com ousadia, o CEO da AG7 Partners ganhou respeito no mercado imobiliário ao lançar o luxuoso Ícaro Jardins do Graciosa

396 0
Alfredo Gulin Neto mostrou que é possível ousar mesmo em um setor conservador.

No mundo atual, ser bem-nascido nem sempre é garantia de sucesso. Apesar do sobrenome de peso, referência em empreendedorismo na cidade, Alfredo Gulin Neto construiu seus próprios degraus ao trazer à terceira geração da família um ingrediente que hoje é imprescindível para qualquer negócio: inovação.
Ao lado do pai, Alfredo Gulin Filho, criou há seis anos a AG7 Partners, uma empresa que surgiu para ser diferente, cuja definição consiste em ser “uma boutique de investimentos”, especializada em negócios voltados ao setor imobiliário. Um lugar onde ele pudesse combinar o conhecimento adquirido no mercado financeiro, onde atuou por cinco anos, à valiosa experiência do pai, nome por trás de mais de 50 incorporações em Curitiba, incluindo a Neo SuperQuadra e o Edifício World Business, ambos no Centro Cívico.
Quando lançou a AG7, aos 24 anos, tinha uma missão muito clara e um tanto quanto inocente: criar produtos e serviços inovadores para facilitar a vida das pessoas e as tornar mais felizes. Hoje, prestes a completar 30 anos, pode-se dizer que consegue transformar utopia em realidade.

 

Bom vizinho

À frente do inovador Ícaro Jardins do Graciosa, empreendimento no Cabral que traz tecnologias de vanguarda aliadas ao projeto do renomado arquiteto Arthur Casas e da premiada paisagista Renata Tilli, o engenheiro ganhou respeito e admiração, mesmo tão jovem.
Para isso, ele reconhece, foi preciso envolver quase 100 pessoas para pensar, entre outras coisas, em como a energia dos painéis solares pode alimentar a iluminação das áreas comuns, como as floreiras poderão se autossustentar com a captação da água da chuva e como o consumo de ar-condicionado pode ser reduzido em até 25% – detalhes que estão presentes no projeto do Ícaro.
Alfredo gosta de trabalhar em equipe e pensar junto. Essa característica faz com que vá além do básico. “É mais do que não prejudicar o ambiente. É como esse morador vai economizar dinheiro, como esse prédio vai interagir com o entorno de uma maneira que ele não gere ilhas de sombras, de calor, como a iluminação será boa sem precisar acender a luz”, explica.
E mais! Pensar em um empreendimento é considerar também a relação deste imóvel com o bairro, a cidade, os vizinhos. Ao lançar o Ícaro, por exemplo, ele fez questão de distribuir aos moradores próximos um bolo em formato de laço. Ao mesmo tempo, está inaugurando o Portal da Vizinhança, onde os vizinhos ao Ícaro poderão registrar qualquer aborrecimento que venham a ter com a obra, prevista para acabar em 2019. “A gente sabe que gera transtorno, mas acho importante poder interagir com os vizinhos de maneira proativa e, com as críticas, talvez identificar uma solução para aquele problema”, reflete.
Essa relação humana entre marca e cliente é algo que permeia o trabalho de Alfredo na AG7. Uma missão que não se limita a apenas “empilhar tijolos”, como ele coloca, mas de entender o impacto de todas as esferas de um negócio. “O mercado imobiliário é muito careta, não se renova. As soluções que a gente tem em construção hoje são as mesmas de 40 anos atrás, isso é algo que nos faz questionar o processo. Queremos agregar valor.”, define.

 

Luxo é estar bem

O engenheiro ganhou respeito no mercado imobiliário ao lançar o luxuoso Ícaro Jardins do Graciosa.
O engenheiro ganhou respeito no mercado imobiliário ao lançar o luxuoso Ícaro Jardins do Graciosa.

 

Da missão utópica, pensada lá em 2011, ele mantém a ideia de que cada morador deva se sentir como se estivesse em um oásis particular, “com a alma em paz”. Pensamento que vai ao encontro daquilo que ele enxerga não como uma tendência, mas algo concreto: a busca dos clientes por bem-estar. “Este é o verdadeiro luxo em morar”, garante. Algo que precisa ser visto com atenção por nós, empresários, de uma forma geral. “O uso do seu prédio vai mudar daqui a 15, 20 anos”, defende.
Entre algumas xícaras de café, lembra o caso do guru indiano Deepak Chopra que, no início do ano, firmou parcerias com empresas especializadas em imóveis de alto luxo dos Estados Unidos. O papel dele é desenvolver técnicas para garantir “o bem-estar biológico do ser humano, com design voltado à saúde preventiva”.
Em entrevista à Forbes, Chopra afirmou que “moradias biológicas são a próxima revolução do mercado imobiliário”. Algo em que Alfredo acredita de olhos fechados. “Hoje em dia estamos caminhando muito mais para um relaxamento, uma paz de espírito com relação ao imóvel, para poder curtir o que realmente importa, como a família e os amigos”, destaca.

 

Filho de peixe, peixinho é

Único filho homem (ele tem duas irmãs) e nascido em uma família com forte histórico na engenharia, foi natural que Alfredo Neto recebesse influência do pai na hora de optar pela graduação. Ainda assim, considera que entrar na engenharia civil foi mais “para explorar o raciocínio lógico” do que seguir os passos do pai. Mas como diz o ditado, filho de peixe, peixinho é. E mesmo após trabalhar cinco anos no mercado financeiro, o sangue falou mais alto, veio a parceria com o pai e a criação da AG7.
Logo no primeiro ano, fizeram barulho ao lançar o descolado iGloo, empreendimento no Água Verde que se destaca pelo estilo despojado e, claro, muitas tecnologias. Em uma época na qual pouco se falava em automação e otimização de espaços – e soluções como o Uber, por exemplo, nem existiam no Brasil – o iGloo já trazia vagas preparadas para carros elétricos, bicicletas elétricas no condomínio e tela touchscreen no hall social, com informações como previsão do tempo, trânsito e correspondência.
Sucesso na época, o iGloo garantiu a autoconfiança para os Alfredos criarem novos projetos com segurança. A alquimia entre técnica de um e a ousadia de outro deu tão certo que logo estavam com outro case desafiador, o empreendimento Mandala, no Água Verde, vencedor em 2014 do Prêmio Master Imobiliário, considerado o Oscar do mercado imobiliário, cuja entrega está prevista para abril.
“Os clientes já estão visitando suas unidades e nos trazendo um feedback”, conta. Para Alfredo, esta é uma das partes mais importantes do negócio. “Quando você vende um imóvel na planta está vendendo um sonho. Quando entrega, aquilo se torna realidade e deve não só corresponder ao que o cliente sonhou, mas superar.” A estratégia dele, neste sentido, é apresentar sempre mais do que o consumidor esperava. “No Mandala, a gente colocou acabamentos que não estavam prometidos. Essas pequenas ações criam um relacionamento com o cliente e com a marca quase fidedigno”, garante o CEO da AG7.

O CEO da AG7 Partners traz ousadia e inovação para o mercado imobiliário.
O CEO da AG7 Partners traz ousadia e inovação para o mercado imobiliário.

E se a relação pai e filho costuma garantir altos e baixos em qualquer família, o engenheiro garante que trabalhar com o pai trouxe muito aprendizado para os dois. E, junto com o conhecimento, uma resiliência em conseguir vestir os chapéus do trabalho e da relação pessoal. “Hoje eu tenho certeza absoluta que no Brasil inteiro poucas pessoas entendem tanto de incorporação imobiliária e engenharia quanto meu pai, mas a gente só sabe disso depois que entra no mercado, entende os negócios e conhece outras pessoas.” E admite que, se tivesse como sócio alguém da sua geração, talvez não conquistasse tanta credibilidade. “A gente faz coisas superinovadoras, mas com um background conservador”, define.

Um pouco mais sobre este construtor de ideias

É fã de Billions, série do Netflix ambientada no mundo das finanças; 
no iPod não faltam bandas como 
The Killers, Franz Ferdinand e 
Charlie Brown Jr., “gosto das 
letras do Chorão”; está lendo 
A escola dos deuses, “ganhei da 
minha mãe e é muito inspirador”; 
e focando na conquista da faixa 
preta no muay thai, “é um 
esporte que dá muita disciplina”.

Neste Artigo


Converse com a Gente