Conheça Daniela Medeiros, a curitibana que trabalhou no filme Thor: Ragnarok

Como set designer (e trabalhando diretamente com Dan Hennah), ela foi uma das responsáveis pelo visual do longa, o maior desafio de sua carreira

1496 0

De Curitiba para Hollywood. Quem disse que não seria possível? Daniela Medeiros é nossa melhor prova disso. Arquiteta por formação, mestre em Production Design pela AFI (American Film Institute) e muito, muito criativa, a curitibana trabalha como set designer em filmes de alto orçamento em Los Angeles, projetando os sets de filmagem e atuando também como production designer de filmes de menor orçamento. Aos 29 anos, ela já foi chefe do departamento de arte de muitos filmes e atuou no visual do filme Thor: Ragnarok (como set designer), lançado no final de outubro no mundo inteiro. O maior trabalho da sua carreira.

Além de Thor, Dani acaba de concluir trabalhos no próximo filme da serie Homem-Formiga e Godzilla.

Dos Estados Unidos, Dani conversou com a TOPVIEW por e-mail e contou como chegou a essa importante função e do que mais sente falta na sua cidade natal.

TOPVIEW: Você é formada em Arquitetura e Design. De que forma chegou à Hollywood? Como foi o caminho até lá?

Daniela Medeiros: meu interesse por cinema veio por meio da introdução ao conceito de Production Design. A ideia de ter uma profissão que me desse oportunidade de criar espaços arquitetônicos diversos e usar a criatividade ao máximo me interessou muito. Essa relação aconteceu logo após a conclusão do curso de Arquitetura e Urbanismo. Em seguida acabei conhecendo profissionais na área e tive a oportunidade de ser diretora de arte dos meus primeiros curtas-metragens. Percebi que gostava mesmo do departamento de arte, e gostaria de fazer isso profissionalmente. Estudei possibilidades da carreira. Sendo da área de arquitetura, me interessei por filmes que possibilitassem a utilização da minha formação ao máximo para criação de sets e em grande parte são filmes de escala maior, com mais orçamento. Nessa época de pesquisa encontrei um Mestrado em Production Design na renomada AFI (American Film Institute) e foi assim que tudo começou. O curso é extremamente puxado, aprendi muito e assim que me formei, comecei a trabalhar na área. 

TV: E esse interesse pelo mundo visual e de criação começou quando?

DM: sempre gostei de desenho, pintura, artes, além de ler muitas ficções. Durante minha adolescência, minha irmã, Juliana Medeiros, estava cursando Arquitetura e Urbanismo. Vendo os trabalhos dela me interessei pela área. Após isso fui introduzida a conceitos nacionais e internacionais de arquitetura que me levaram de vez para essa área.

TV: Quais as suas fontes de inspiração?

DM: no meu trabalho as fontes de inspirações tendem a mudar. Cada projeto requer uma referência diferente por serem filmes em lugares e tempos distintos. Geralmente minhas fontes de inspiração vêm de projetos arquitetônicos da época apropriada e obras de arte que possuam conceito ou visual que condiz com os do filme em questão. Porém, existem profissionais que me inspiram: Scott Chambliss, Dante Ferretti, Adam Stockhausen, Dan Hennah, Jack Fisk, entre vários outros que poderia ficar citando por muito tempo.

TV: E qual seu trabalho preferido até hoje?

DM: acredito que seria o Thor como set designer e All These Voices como production designer.

TV: Falando nisso, como foi trabalhar no filme Thor?

DM: foi uma experiência incrível. Fui contratada para ir para a Austrália e trabalhar diretamente com a equipe de arte que era composta por Dan Hennah (Senhor dos Anéis, Hobbit), Richard Hobbs (Mad Max), entre outros profissionais importantes. Uma equipe incrível e um país magnifico. Passei cinco meses lá trabalhando no filme. Foram vários desafios, muito aprendizado e diversão também.

TV: Neste pouco tempo de carreira, qual foi o maior desafio?

DM: acho que meus maiores desafios tendem a ser a compreensão das dinâmicas dentro dos departamentos e também a política que faz parte.

TV: Com quem você gostaria de trabalhar? Por quê?

DM: como set designer adoraria trabalhar com importantes designers como Dante Ferretti, Adam Stockhausen, Jack Fisk, Rick Carter… Como production designer tenho interesse em trabalhar com diretores brasileiros como José Padilha, Fernando Meirelles, Walter Salles e também Carlos Saldanha.

TV: Está trabalhando em algum outro filme ou criação que possa contar?

DM: acabo de concluir meu trabalho no próximo filme da serie Homem-Formiga, também da Marvel, e anteriormente trabalhei no próximo Godzilla, com o talentoso designer Scott Chambliss.

TV: Pretende voltar para Curitiba? Quando ou em qual momento?

DM: sempre volto, de férias, para visitar a família. Tenho interesse em voltar a trabalhar no Brasil como diretora de arte, adoraria poder contribuir com a indústria cinematográfica brasileira.

TV: Do que mais sente falta em Curitiba?

DM: obviamente da minha família, seguida pelos meus amigos, que mesmo eu estando longe estão sempre em contato. Mas da cidade em si sinto falta do verde, dos parques, dos finais de semana nos bares e no Museu do Olho. Sempre que vou tento dar uma passada por lá. Além disso, por incrível que pareça, sinto falta do clima. Difícil acreditar, mas viver numa cidade como Los Angeles que quase não chove e não tem mudanças de estações te faz sentir falta de Curitiba.

Veja também: FICBIC 2017 tem curadoria de filmes “para refletir” que flertam com a realidade brasileira

Neste Artigo


Converse com a Gente